sábado, 19 de abril de 2014

25 de Abril - uma data a não esquecer - 3

(...)
Ali nas vinhas sobredos
vales socalcos searas
serras atalhos veredas
lezírias e praias claras
vivia um povo tão pobre
que partia para a guerra
para encher quem estava podre
de comer a sua terra.


Um povo que era levado
para Angola nos porões
um povo que era tratado
como a arma dos patrões
um povo que era obrigado
a matar por suas mãos
sem saber que um bom soldado
nunca fere os seus irmãos.

Ora passou-se porém
que dentro de um povo escravo
alguém que lhe queria bem
um dia plantou um cravo.
Era a semente da esperança
feita de força e vontade
era ainda uma criança
mas já era a liberdade.

Era já uma promessa
era a força da razão
do coração à cabeça
da cabeça ao coração.
Quem o fez era soldado
homem novo capitão
mas também tinha a seu lado
muitos homens na prisão.

Esses que tinham lutado
a defender um irmão
esses que tinham passado
o horror da solidão
esses que tinham jurado
sobre uma côdea de pão
ver o povo libertado
do terror da opressão.

Não tinham armas é certo
mas tinham toda a razão
quando um homem morre perto
tem de haver distanciação
uma pistola guardada
nas dobras da sua opção
uma bala disparada
contra a sua própria mão
e uma força perseguida
que na escolha do mais forte
faz com que a força da vida
seja maior do que a morte.
(...)
Excertos de “As Portas que Abril Abriu” - Poema de José Carlos Ary dos Santos


Hino de Caxias
Ensaio aberto no Jardim da Cordoaria, Porto, sob a direção da soprano Ana Maria Pinto

Porque é necessário... Ouvir o clamor imenso daquela multidão de vozes que sentiram na pele as grilhetas e as chicotadas do fascismo. Que TODOS juntos, de mãos dadas, lutemos para que esses anos de terror não voltem mais.


Sem comentários:

Enviar um comentário