sábado, 19 de janeiro de 2013

ORION - 49 anos depois...



ORION
19 Janeiro 1964 - O início de um sonho...
49 anos depois

Esse dia 19 de Janeiro de 1964 foi um domingo soalheiro de inverno, com um céu muito azul, sem nuvens e vento quase nulo.
Na Praia da Boa Nova, em Leça da Palmeira, um mar chão muito calmo e que verdejava lá em baixo, arrancando reflexos dourados às águas que vinham beijar as areias (nessa altura ainda limpas) e deixava a flutuar franjas irregulares de espuma branca...
Nesta data três jovens portuenses arrastaram uma multidão de curiosos para o pinhal da Boa Nova (Leça da Palmeira) - onde hoje se encontra a refinaria de petróleo - para assistirem ao lançamento do primeiro foguetão de dois andares por eles construído.
Recorrendo-me à minha memória (nesta data em que o lançamento do Orion comemora o seu 49º aniversário) e aos meus apontamentos, deixo-vos com a minha visão desse acontecimento.


Dia 17 de Janeiro de 1964 – sexta-feira à noite

A data do lançamento do Orion aproximava-se.
Na sexta-feira, 17 de Janeiro de 1964, à noite, agarramos no Orion desmontado e nos convites que ainda não tínhamos distribuído e fomos “apresentá-lo” às redacções dos jornais do Porto: Jornal de Notícias, Comércio do Porto e Diário de Notícias.
Montamos o Orion (sem combustível, claro, não fosse o diabo tecê-las) na recepção dos referidos jornais e apresentámo-lo aos jornalistas de serviço que cuidaram das fotografias e das perguntas da praxe.


Dia 18 de Janeiro de 1964 – sábado

O dia seguinte, sábado, foi mesmo um dia para esquecer, tantas eram as tarefas para serem feitas.
O Daniel e o Jaime perderam a manhã no Governo Civil do Porto para “inventarem” uma licença para ser lançado o Orion.

Licença para o lançamento do Orion, passada pela PSP

Nessa altura eu trabalhava ao sábado, por isso fui para o meu local de trabalho sem ter lido os jornais.
Na altura trabalhava na Avenida dos Aliados. Desde a saída do autocarro até ao meu local de trabalho fui objecto de curiosidade por uma grande parte de transeuntes anónimos (que me olhavam como se tivesse antenas verdes no cimo da cabeça!!!), mas mais especialmente por parte dos meus colegas de trabalho que me mostraram as reportagens dos diversos jornais, com as nossas fotos em destaque.

Jornal de Notícias - 18 Jan 1964
Diário de Notícias - 18 Jan 1964
Comércio do Porto - 18 Jan 1964


O mais curioso, por volta do meio-dia, fui chamado ao gabinete do director que, com os jornais diários abertos na sua secretária e precisamente nas nossas fotografias, fez elogios à nossa "aventura" e as mais variadas perguntas de circunstância.
Curioso! Até então, quando nos cruzávamos era como se eu fosse invisível (uma vez por outra dizia bom-dia, mas muito raro!). A partir daquele momento passei a ser o “colega Zé Gomes”! O que faz a fama.
Aproveitei aquela boa maré para pedir um subsídio para nos ajudar a desenvolver o nosso Projecto Orion… Palavras que eu disse!!! Fiquei sem resposta, mas o sorriso enigmático com que se despediu, foi a melhor das respostas.
A partir dessa altura e sempre que nos cruzávamos pelos corredores, cumprimentávamo-nos com um bom dia ou boa tarde. Curioso! O meu nome varreu-se-lhe da memória…


Dia 19 de Janeiro de 1964 – domingo

Pouco passava das 8 horas da manhã e já muita gente se aproximava do local onde os aguardava os elementos do grupo de lançamento encarregues da recepção dos visitantes.
Eram acompanhados até ao Centro de Controle (a nossa humilde casamata) onde foram distribuídos os regulamentos e as características do Orion (mas rapidamente as folhas dactilografadas na noite anterior se esgotaram). Depois, em grupos, eram acompanhados até ao Orion (já montado na rampa de lançamento, mas ainda sem o combustível e sem o sistema de ignição) e lá satisfeitas as perguntas dos visitantes.

Boa Nova - Período de visitas ao foguetão Orion


Boa Nova - Período de visitas ao foguetão Orion - comentários...



Boa Nova - Período de visitas ao foguetão Orion - fotos a pedido...


Boa Nova - Período de visitas ao foguetão Orion - fotos a pedido...


Às 11 horas foi vedado o acesso ao Orion e proibido fotografar e observar de perto o foguetão.
Eu, o Jaime e o Daniel procedemos, então, ao carregamento do combustível sólido e completamos as ligações eléctricas do sistema de ignição.

Boa Nova - preparação e colocação do anel separador dos dois andares
(…)

Faltam 45 minutos! – disse eu, tirando o relógio do pulso e colocando-o no peitoril da janela da casamata, ao lado do caderno que nos servia de “check-in” do lançamento e dando baixa neste. — É preciso voltar a verificar o ângulo de inclinação da rampa de lançamento e a temperatura exterior do corpo do Orion — sussurrei ao Jaime.
OK! Aproveito e vou com o Daniel verificar as ligações eléctricas e o sistema de ignição... Ninguém respeita as normas de segurança. Com tanta gente à volta do foguetão, tantas fotografias que estão a tirar e tantas apalpadelas que lhe estão a dar, não me espanta mesmo nada que lhe tenham dado um encontrão e que se tenha desligado qualquer coisa – sugeriu Jaime, pegando nos materiais necessários para algumas substituições de última hora.

Enquanto o Daniel e o Jaime se afastavam, com as batas brancas a flutuar ao sabor da leve brisa, subi a pequena ravina na base da qual se encontravam os restos do que fora um abrigo – a que chamávamos, cheios de vaidade, casamata! – e que nos servia de Centro de Controle.

Oh como me doía a cabeça!

Foi uma noite mal dormida, na loja dos pais do Jaime, na confusão de máquinas de costura a trabalharem nas mãos experientes da mãe e da irmã do Jaime e de algumas amigas (para criarem os diversos tipos de braçadeiras), máquinas de escrever (que batiam os regulamentos, as especificações do Orion, as normas de segurança, as últimas instruções e verificações dos vários elementos que iriam fazer parte do “combustível” do foguetão). 
Não dormira quase nada nessa noite e levantara-me muito cedo, ainda não tinha começado a nascer o dia.

Oh como me doía a cabeça! E nem um comprimido tinha ali à mão…

Espraiei os olhos à minha volta: estava rodeado de um grande número de curiosos que procuravam o melhor local para assistirem ao lançamento do Orion. Lá no fundo, para os lados da Casa de Chá e do Farol da Boa Nova, uma densa multidão de pessoas apressadas aproximava-se do local do lançamento, desafiando os esforços dos nossos jovens “seguranças” que tentavam que essa “mole humana” se dirigisse para o perímetro de segurança que fixáramos previamente.

Olhei o corpo majestoso do foguetão, bem apontado para o céu e que cintilava beijado pelos raios de sol e acenei ao Jaime e ao Daniel que faziam ali as suas verificações.

O Eduardo, um dos responsáveis pela segurança do Projecto Orion, juntamente com outros jovens amigos, empurravam a custo o batalhão de fotógrafos, operadores de cinema e de TV para uma duna situada a cerca de 100 metros do local de lançamento. Mas mal virávamos as costas, os jornalistas regressavam ao ponto inicial, ávidos dos melhores ângulos para as suas fotografias...

Desci a ravina e regressei à casamata. Verifiquei o “check-in de lançamento” à minha frente, piquei as tarefas já executadas e disse maquinalmente:
— 30 minutos para a Hora Zero!

O Jaime e o Daniel que acabavam de chegar, olharam o relógio que se aproximava, inexoravelmente, das 13 horas (o lançamento do Orion esteve inicialmente marcado para as 12 horas mas, devido ao grande número de visitantes e do seu envolvimento na zona de lançamento, tivemos de marcá-lo para as 13 horas).
— Hora zero menos vinte minutos! – disse, dando baixa no “check-in”.

O Gaspar entrou na casamata, furioso e a barafustar:
— Não entendo estes jornalistas! Voltaram a romper o cordão de segurança e por mais que se faça não me obedecem! Já não sei mais que fazer!!!

Olhei para os jornalistas que, pouco a pouco, se aproximavam (e logo se instalavam de armas e bagagens cada vez mais perto da zona perigosa). Olhei o relógio e desta vez perdi a calma:
— Se esses gajos não recuam para trás das dunas, desta vez abortamos mesmo o lançamento! Eduardo, Gaspar, levem convosco todo a gente disponível e façam recuar os jornalistas para as zonas de segurança. E digam-lhes mesmo, ou eles recuam para as dunas ou abortamos o lançamento! Se há um azar e esta coisa explode, ficam que nem picado e quem se lixa somos nós!

Boa Nova - na casamata, centro de controle do lançamento do Orion

Continuei com o “check-in”, enquanto observava as negociações com os jornalistas. O Gaspar esbracejava e passeava-se de um lado para o outro. Não conseguia ouvir o que dizia. De repente, correu na nossa direcção e disse-nos, com um grande sorriso espalhado no rosto:
— Pronto, pronto, não se preocupem! Vão pôr toda a maquinaria fora das dunas e apontadas para o Orion e vão-se abrigar dentro do perímetro de segurança. Se houver qualquer “chatice“ assumem toda e qualquer responsabilidade. Vão-se as máquinas, ficam eles e ficamos nós sem as fotos do lançamento!
— Gostava de ver tudo isso passado a escrito! – resmungou o Jaime, encolhendo os ombros.
— Hora Zero menos dez minutos! — disse eu, olhando os jornalistas que se instalavam na zona negociada.
Um razoável perímetro de segurança estabeleceu-se, finalmente, junto do Orion.

— Hora Zero menos cinco minutos! — disse eu, olhando da casamata o foguetão que brilhava no meio do descampado.
De repente, um silêncio sepulcral invadiu toda a região. Parecia que toda aquela multidão, ululante até aí, tivesse deixado de respirar, ficando suspensa no que iria suceder no minuto seguinte.
Só o suave murmurar do mar, alguns metros lá em baixo, se associava à ligeira brisa que soprava...

— Hora zero menos...

— Porra, porra, pára-me já essa contagem, Zé ! – gritou o Eduardo, completamente fora de si! — Pára, pára tudo!!! A merda daquela avioneta está a aproximar-se! Rápido, os gajos da rádio que lancem um aviso…
Algum dos repórteres ao meu lado – não me lembro bem quem – que faziam a cobertura em directo do lançamento (ou alguém no aeroporto que os estava a ouvir), devem ter comunicado com a avioneta que acabou por dar meia volta, deixando livre o nosso espaço aéreo.

Depois desta ter saído do nosso campo visual e de se ter feito os acertos nas rotinas de segurança, recomecei a contagem decrescente, atrasada agora 15 minutos.

— Hora Zero menos quinze minutos!

Encostei-me ao beiral da janela (ao que restava dela!) e respirei fundo. A minha cabeça parecia que rebentava, mas tentei abstrair-me … Olhei à minha volta e vi o Jaime, bem ao meu lado, a verificar com uma das mãos as ligações do cabo de ignição e a roer as unhas da outra, com um ar muito compenetrado.
O Daniel – apesar de todas as normas de segurança e dos avisos em contrário – acendeu mais um cigarro que juntou ao outro que ainda mantinha aceso nos lábios, ajustou a braçadeira da sua bata branca e fez-me um sinal com a cabeça dizendo, ao meu olhar reprovador, que tudo estava bem.
Olhei para cima, para o que fora o telhado da casamata e vi dezenas de caras que observavam os nossos gestos, as câmaras de TV e de cinema que nos seguiam, os “flashes” que aumentava ainda mais a minha dor de cabeça...

De repente apercebi-me que até eu estava a roer as unhas!
Olhei, automaticamente, para o Jaime que me sussurrou entre um sorriso breve:
— Também tu, meu filho bruto!!! Deixa lá as unhas em paz e sossego…
Encolhi os ombros e limitei-me a dizer:
— Hora Zero menos cinco minutos!
Olhei o céu que se mantinha limpo, as várias equipas que estavam bem firmes nos seus postos, os jornalistas atrás das dunas... Cocei a cabeça...

— Hora Zero menos dois minutos!...
Foi então que senti como se me tivessem dado um soco no estômago e senti um calafrio a subir-me pela espinha. Estremeci e encostei-me, ainda mais, ao parapeito da janela...
— 30 segundos!...
— Está tudo OK! – disse Jaime, enquanto pousava o dedo no interruptor da caixa de ignição.

Olhei para o meu Pai que me espreitava lá de cima. Acenou-me; sorri-lhe e pensei que ainda há dois dias me criticava e que não acreditava no nosso Projecto.

Continuei a contagem:
— 20 segundos!...
— Ignição preparada! – disse o Jaime com voz calma e bem segura.
Daniel aproximou-se ainda mais da janela e assestou os binóculos no Orion. Limitei-me a prosseguir a contagem:
— 10!...
O suor, em camarinhas, começou a escorrer-me pela cara abaixo e a camisa, já completamente encharcada, estava colada às costas. As minhas pernas pareciam feitas de manteiga…! Sentia-me cair... Lá, muito ao longe e misturada com a minha dor de cabeça que agora latejava, ouvia a minha voz bater-me dentro da cabeça...
— 7... 6... 5...
— É agora ou nunca! – sussurrou o Jaime.
— Faz figas, Zé! – disse-me o Daniel, como que numa prece.
Os meus olhos, muito abertos, estavam agora bem fixos no foguetão:
— 4... 3... 2... 1 ... IGNIÇÃO!!!

Senti, mais do que vi, o Jaime a apertar o botão!
O berro com que concluí a contagem foi abafado pelo ruído ensurdecedor dos gases expelidos pela tubeira do Orion, enquanto este se erguia majestosamente nos céus da Boa Nova, largando um elegante novelo de fumo branco que o acompanhou na subida, para percorrer os 9.000 metros projectados por nós.

Seguiu-se uma estrondosa salva de palmas da multidão ululante que assistia ao lançamento do primeiro foguetão português.

13 horas: fotografia da subida do ORION
Fonte: Jornal de Notícias, 20 Janeiro 1964


Mal gritei “IGNIÇÃO” saí da casamata a correr em direcção à rampa de lançamento ainda envolta em fumo. Lembro-me de ver o corpo cilíndrico do foguetão subir no céu. Não me lembro da separação do segundo andar.

Corri, depois, em direcção ao mar, não sei bem porquê… e toda aquela multidão correu atrás de mim.



(…)







Em 19 de Janeiro de 1964 três jovens “cientistas” fizeram subir nos céus da Praia da Boa Nova, em Leça da Palmeira, o primeiro foguetão português. Esta “reportagem” foi retirada dos apontamentos que fiz na altura e tenta transmitir o acontecimento que atraiu e fez delirar milhares e milhares de pessoas que assistiram a uma experiência científica e como isso entusiasmou, nessa altura, os meios de comunicação do país.

No local onde foi lançado o foguetão Orion começou, mais tarde, a ser construída uma refinaria de petróleo…

Ainda hoje existe!





Recordo algumas das características do ORION:

  1. Primeiro andar - altura 1,32 m; diâmetro 50,8 mm; peso (vazio) 4 kg; tempo de combustão do propulsante 0,46 s; velocidade 350 m/s; força 480 kg.
  2. Segundo andar: altura 0,26 m; diâmetro 19 mm; peso (vazio) 60 g; tempo de combustão do propulsante 0,07 s; velocidade 560 m/s; força 50 kg.

  • A rampa de lançamento tinha uma altura de 1,50 m e o ângulo com a horizontal era de 80º; o zénite previsto da trajectória do Orion foi de 9.000 metros.
  • O combustível utilizado nesta experiência era sólido, prensado nas câmaras de combustão dos dois andares do foguetão. A ignição do primeiro andar, eléctrica, foi feita directamente pelo director de voo e a do segundo andar por inércia.
  • A cerca de quarenta metros da rampa de lançamento estiveram representantes dos órgãos de informação que, de máquinas apontadas, fotógrafos e operadores de cinema e televisão, registaram para a posteridade o lançamento do foguetão.


"(...) De súbito, o local ficou envolvido em silêncio tal que se conseguiam ouvir as ondas do mar. Começou uma voz a contar de dez para zero e, por entre um clarão de chamas e uma espessa nuvem de fumo, sem que houvesse tempo para o fixar, o «Orion» disparou em rápida subida, levando como direcção o Oeste, preparando-se para se elevar a 9.000 metros de altitude e cair depois no Atlântico. Ainda a enorme nuvem branca não se tinha esfumado, já a multidão corria entusiasmada para o local, onde as ervas estavam queimadas pela explosão, e para o mar, na esperança de verem cair, lá longe, o 2º andar do foguete (...)".      (in Jornal de Notícias de 20 de Janeiro de 1964).


A animação que se segue foi feita a partir das fotografias que tenho em arquivo, algumas delas muito estragadas pelo tempo mas mesmo assim tentei recuperá-las.
Espero, com este trabalho, deixar para memória futura o lançamento do Orion e recordar todos aqueles que trabalharam connosco, irmanados num SONHO que se chamou Projecto Orion. Pena foi que o Projecto Antares (aquele que levaria um rato como tripulante) não tivesse passado para além dos cálculos, projectos e experiências...

José Gomes - Jan 2013








quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Fotografias que roubei à Milú...

Comentários para quê?
Apenas as legendas e podem apreciar as belezas que se encolhem no seio desta cidade do Porto.
Obrigado pelas fotos, Milú.

Neblina na Ponte da Arrábida - Porto

Por Sol na praia do Molhe - Foz Douro - Porto


Porto Sentido, embalado pelo Douro... Porto visto da Foz