quarta-feira, 21 de novembro de 2012

AQUELA PRAÇA



Aquela Praça

Vi o rio
Vi a serra
Vi a ponte
Da nossa terra
Vi a Sé
Onde à tardinha
Meu amor ia rezar (...)”[1]

Esta melodia, desde manhã cedinho, bailava dentro da minha cabeça... Sentado à beira-rio, na Praça da Ribeira, ouvia o canto dolente do Douro a passar por baixo dos meus pés que baloiçavam ao ritmo desta canção cuja letra, pouco a pouco, ia tomando forma...
O céu encoberto pelas nuvens matinais deixava escapar – aqui e ali! – réstias de sol que dardejavam as águas, arrancando-lhes arco-íris de cores luminosas...
O piar das gaivotas em seus voos circulares, confundia-se com o sussurrar das águas do rio que lentamente caminhavam para a Foz!
Mais ao largo um barco subia o rio em direcção à ponte, soberba em toda a sua estrutura metálica. Lá em cima o tom amarelado do Metro deslizava suavemente....
— Oh freguês, carapau vivinho!...
Saltei da balustrada ao som do pregão da varina!
Acordei!
Fixei os olhos ainda mal abertos na quitanga recém-montada atrás de mim, onde o reluzir cinzento-metálico das escamas dos peixes arrancava mini arco-íris que saiam da banca e se perdiam naquele céu com nuvens...
Diante de mim a ponte Vasco da Gama, o Tejo reflectindo-se num céu encoberto e quente, as pessoas movendo-se como que fugindo a um temporal que se avizinhava.
Os meus olhos acompanharam aquele arco-íris, agora de cores bem definidas, uma ponta diluindo-se a meus pés, a outra passando pela ponte e perdendo-se no céu...

Quem sabe, pensei, a outra ponta abraçava, a 300 km mais para norte, o outro rio de cores bem vivas...

Como seria giro ver o Tejo e o Douro num abraço terno de amizade!...


Vi o rio
Vi a serra
Vi a ponte
Da nossa terra
Vi a Sé
Onde à tardinha
Meu amor ia rezar (...)”

José Gomes
Novembro 2012


[1]  Canção do filme “A Costureirinha da Sé” de Manuel Guimarães, 1958.

2 comentários:

  1. Teu blog é lindo, parabéns!

    Vem conhecer o meu:
    leiakarine.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. AH! Grande poeta!
    Que possas versejar por muitos e bons anos para que o "Chuviscos", cada vez mais, publicite os dons que são os teus...
    Um beijo à Milú (musa inspiradora) e filhota. Não descures os mais peludos!...
    Um abraço amigo do
    Jaime Gonçalves
    (enviado por email)


    ResponderEliminar