sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

2012 e a "Mudança das Eras"


Agradeço ao Zorze e ao blog  Cheira-me a Revoluçãode quem "roubei" este artigo. As minhas desculpas por não vos pedir a devida autorização.


"Quando se diz que a Humanidade chegou a um período de transformação, e que a Terra deve elevar-se na hierarquia dos mundos, não veja nestas palavras nada de místico, mas, ao contrário, a realização de uma das grandes leis fatais do Universo, contra as quais se quebra toda a má vontade humana".

De acordo com os Maias e os Aztecas o Sexto Ciclo do Sol é para começar em 21/12/2012. Este Ciclo é também conhecido como a "Mudança das Eras".
Conforme as suas previsões é para ser o início de um ciclo que é baseado na harmonia e no equilíbrio.
Ao que, o planeta Terra está a passar por uma grande mudança na percepção da consciência e da realidade.
Os Maias têm 22 calendários no total, que abrangem muitos ciclos de tempo no Universo e no Sistema Solar. Alguns desses calendários ainda não foram revelados.
O Quinto Mundo Maia terminou em 1987. O sexto mundo começa em 2012. Portanto, estamos actualmente "entre mundos". Este tempo é chamado de "Apocalipse" ou revelando.
Isto significa que a verdade será revelada. É também o momento de se realizar transformações individuais e colectivas.

De facto, em 2007 começou um processo de catarse global de consequências imprevisíveis, independentemente das múltiplas opiniões económicas, políticas, sociais e até climatéricas. Tem ganho forma uma inevitabilidade, que é antiga e que vem dos tempos antigos, ninguém prevê o dia de amanhã, nessa linha, qualquer comentário ou previsão, tem a credibilidade que tem, muito próximo do zero.

Os Maias também dizem que em 2012 teremos ido além da tecnologia como a conhecemos. Teremos ido além do tempo e dinheiro. Teremos entrado na quinta dimensão depois de passar pela quarta dimensão.
À medida que caminhamos pela quarta dimensão efectuando nossa transformação íntima, vamos experimentando uma mudança na consciência. A quarta dimensão é mais um estado de espírito do que um lugar real.

O Planeta Terra e o Sistema Solar entrarão em sincronização galáctica com o resto do Universo. O nosso DNA sofrerá um "upgrade" (uma espécie de reprogramação) vinda do centro de nossa galáxia. Ou seja, em 2012, o plano do nosso Sistema Solar vai alinhar exactamente com o plano da nossa galáxia, a Via Láctea. Este ciclo leva aproximadamente 26.000 anos para se completar.

O tempo está realmente a acelerar (ou a entrar em colapso). Tempo no entanto não existe - apenas o agora existe - como todas as pessoas conscientes o sabem.
Tal como é comprovado pela Ressonância Schumann (um conjunto de picos do espectro do campo electromagnético) que é normalmente de 7,83 ciclos por segundo. No entanto, desde 1980 essa ressonância vem subindo lentamente.
Agora está em mais de 12 ciclos por segundo. Isto significa que há o equivalente a menos de 16 horas por dia em vez das antigas 24 horas. É por isso que o tempo parece estar a correr tão rápido. Pode-se dizer que não é "tempo", mas a própria Criação, que está acelerando.

Resumindo, o tempo é relativo nas inúmeras variações; sejam físicas, espaciais e espirituais, e dentro destes em cada um também variam.
Como corolário, fica a pequena nota, de que o planeta em que vivemos e partilhamos actualmente é um pequeníssimo ponto da nossa galáxia, sem esquecer, de que existem muitas e muitas galáxias. Apenas para nos posicionarmos na nossa ordem de grandeza.


Publicado em simultâneo no Cheira-me a Revolução!
Publicado em simultâneo no Extrafísico.
# Zorze

Um abraço e muita FORÇA para lutar por UM MUNDO NOVO A SÉRIO.
José Gomes

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Silêncio

Na última Noite de Poesia no Flor de Infesta a Helena Guimarães declamou-nos este poema que me tocou... e de que maneira! Neste nascer de ano, espero que esta mensagem caia bem fundo no sentir dos portugueses. Acredito que o Futuro está nas nossas mãos... saibamos nós usá-las!


SILÊNCIO

Não é tempo de silêncio!
O tempo de silêncio
é quadra de águas calmas
de brisas mornas
de mares iridiscentes.
É tempo de reflecção.
Hora de caminhos interiores
da descoberta da alma,
das forças do coração.
Hoje é tempo de luta
pelo que chamamos de nosso,
pelo nosso legado
aos filhos, nossos herdeiros,
a nossa identidade
de homens livres e capazes
de construir um País.
Legado de gente feliz.
Gente com letra grande
que fez a história dos mares.
Não é tempo de silêncio!
É tempo das nossas mulheres
que sempre deram o exemplo
fazerem um movimento
e defenderem seus filhos
das regras destes caudilhos.
Vão-se-nos as joias e os dedos,
nem para que bolso sabemos,
e tristes empobrecemos
enriquecendo outros povos
que têm raiva do que temos
e até do nosso sol.
É tempo de dizer basta
aos que vendem o País
como se fossem petizes
a trocar, entusiasmados,
os cromos do futebol.

Helena Guimarães


quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Natal... em forma de poema







Não consegui resistir ao conteúdo deste poema da Isabel Rosete. Neste tempo conturbado a Isabel conseguiu dar ao poema um espírito de Natal diferente e que nos fará pensar... e, quem sabe? Talvez ajude a sair da letargia em que estamos mergulhados.
Obrigado, Isabel, pelo poema.




             Sejamos Natal

Para além de todas as demagogias,
Para além do politicamente correcto,
Para além de todas as hipocrisias...

Celebremos, finalmente, o Espírito do Natal
Em todos os momentos
Desta nossa existência, tão efémera.

Natal é Fraternidade, Solidariedade, Paz,
Amor e Alegria na Terra
E nos Corações dos Homens;

Natal é a apologia do autenticamente Humano,
Em toda a sua essência genuína
De Bondade e de Verdade;

Natal é o enaltecimento de um Mundo
Onde não haja mais lugar para a Crueldade,
Para a Violência ou para a Agressividade;

Natal é a reunião dos Corações sensíveis
Que lutam, desesperadamente, pela União
Dos Povos e das Nações;

Natal é a rejeição da Discriminação,
Dos horrores da Guerra,
Da mutilação dos Corpos e das Almas;

Natal é a consciência da Miséria Humana,
O compromisso da sua superação,
O enaltecimento da Justiça e da União fraterna;

Natal é o triunfo do Bem e do Belo,
A glória de todos os Renascimentos,
A comemoração da Dignidade Humana;

Natal é a benção do sempre Novo,
O louvor de todo o acto de Criação,
De Renovação e de Regeneração.

Sejamos Natal,
Hoje, sempre,
Para sempre...

Isabel Rosete

domingo, 4 de dezembro de 2011

Noites de Poesia em Vermoim - reportagem de 3 Dez 2011

A pedido de vários amigos e porque o Movimentum - Arte e Cultura fez 18 anos de actividades, deixo-vos aqui com um relato do que se passou no sábado, dia 3 de Dezembro passado, no Salão Nobre da Junta de Freguesia de Vermoim:





A reportagem da “Noites de Poesia em Vermoim”

(Sábado, 3 de Dezembro de 2011)

E a gripe desceu à “Noites de Poesia em Vermoim”… uma forma de justificar, entre outros, as ausências da Maria Mamede e de outros poetas. Já para não falar dos amigos que deveriam estar presentes para animar musicalmente esta nossa tertúlia.


José Gomes, acompanhado por Mário Jorge, foi o “maestro” que coordenou esta Noite de Poesia. Uma Noite com muito poucos poetas mas com o entusiasmo de sempre dos poetas presentes.


O tema escolhido para esta Noite de Poesia foi “RENASCE A ESPERANÇA”.

Armindo Cardoso deu início a este Sarau de Poesia, seguindo-se José Carlos Moutinho, Manuela Miguéns, Ricardo Tavares (que nos visitou pela primeira vez), Maria José Santos Leite, Helena Guimarães, Carlos Rebordão Teixeira, José Ribeiro, José Gomes, Teresa Gonçalves e Silvino Figueiredo.

Na “Poesia na Net” foi lido por José Gomes o poema enviado por João Diogo, de Recife, Brasil.

Teresa Gonçalves, nesta ocasião do 18º aniversário do Movimentum – Arte e Cultura, dedicou-nos este poema:

hoje é dia
de verter taças prateadas
em louvor ao amor à arte
beber gota a gota com fervor
a música cristalina do bater das taças
pelo movimento Movimentun
Arte e Cultura
que ao longo destes anos
remando contra a maré
segura o leme com trabalho
partilhado em delicado espaço
ao sábado primeiro de cada mês
em afagos de amor e ternura
à serena beleza da poesia
faça calor ou faça frio.
uns permanecem
outros chegaram
alguns partiram
e mais virão
mas o que interessa realçar
é a entrega sem revês
de quem sabe, tão bem a arte amar.

Parabéns, amigos José Gomes e Maria Mamede.
Parabéns aos que ficaram
aos que partiram e aos que chegaram.

Teresa Gonçalves 2011-12-03









No próximo sábado, dia 10 de Dezembro de 2011, pelas 17,30 horas, a poetisa Maria José Santos Leite vai fazer mais uma apresentação dos seus livros recentemente editados, na ARTE ALIADOS, Rua de Francos 131 (Junto à Casa de Saúde da Boavista.
Agradecemos a vossa presença e a divulgação desta apresentação.


Mais uma vez reiteramos os nossos votos de Feliz Natal e de um Novo Ano bem melhor do que está a ser apregoado. Muita Saúde, muita Paz, muitas Felicidades e muita Força e Engenho para ultrapassarmos as pedras que nos vão colocar no Caminho, já a partir do próximo ano.

A próxima Noite de Poesia em Vermoim é no dia 7 de Janeiro de 2012, no mesmo local, à mesma hora e com o tema:
ENQUANTO HÁ VIDA…

Um abraço,
José Gomes