sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Chile - 11 de Setembro de 1973

Bombardeamento do Palácio de La Moneda - Chile (11 Set. 1973)

Este é o 11 de Setembro de que quase ninguém fala mas que está, de certeza, bem vivo na memória do povo chileno. Por isso mesmo é importante que não deixemos que apaguem esta memória. A nossa Memória também se faz com a Memória dos outros. Visitem esta página:

 Chile - 11 de Setembro de 1973


No dia 11 de Setembro de 1973 um golpe de estado sangrento, comandado pelo general Augusto Pinochet, derrubou o Presidente da República, Salvador Allende, democraticamente eleito três anos antes.

Durante os 17 anos que durou a ditadura de Pinochet foram brutalmente assassinadas 3.197 pessoas (este número inclui 49 crianças de 2 a 16 anos e 126 mulheres, algumas delas grávidas). O número de desaparecidos ainda hoje não está completamente apurado.


Foi desta maneira que Ary dos Santos homenageou o povo e os mártires do Chile:

Homenagem ao Povo do Chile

Foram não sei quantos mil
operários trabalhadores
mulheres ardinas pedreiros
jovens poetas cantores
camponeses e mineiros
foram não sei quantos mil
que tombaram pelo Chile
morrendo de corpo inteiro.

Nas suas almas abertas
traziam o sol da esperança
e nas duas mãos desertas
uma pátria ainda criança.

Gritavam Neruda Allende
davam vivas ao Partido
que é a chama que se acende
no povo jamais vencido.
- o povo nunca se rende
mesmo quando morre unido.

Foram não sei quantos mil
operários trabalhadores
mulheres ardinas pedreiros
jovens poetas cantores
camponeses e mineiros
foram não sei quantos mil
que tombaram pelo Chile
morrendo de corpo inteiro.

Alguns traziam no rosto
um rictus de fogo e dor
fogo vivo fogo posto
pelas mãos do opressor.
Outros traziam os olhos
rasos de silêncio e água
maré-viva de quem passa
uma vida à beira-mágoa.

Foram não sei quantos mil
operários trabalhadores
mulheres ardinas pedreiros
jovens poetas cantores
camponeses e mineiros
foram não sei quantos mil
que tombaram pelo Chile
morrendo de corpo inteiro.

Mas não termina em si próprio
quem morre de pé. Vencido
é aquele que tentar
separar o povo unido.
Por isso os que ontem caíram
levantam de novo a voz.
Mortos são os que traíram
e vivos ficamos nós.

Foram não sei quantos mil
operários trabalhadores
mulheres ardinas pedreiros
jovens poetas cantores
camponeses e mineiros
foram não sei quantos mil
que nasceram para o Chile
morrendo de corpo inteiro.

7 comentários:

  1. A este dia andam associados trágicos acontecimentos. A perda da Liberdade associada a muitas mortes injustas, uma carnificina cruel a que o povo chileno foi sujeito durante tantos anos não poderá ser esquecida. Nem Pinochet, esse monstro que fará parte do painel a que outros monstros se juntam, poderá cair no esquecimento para que outros não se ergam com facilidade. Salvador Allende foi um Homem Bom, um Homem de sonhos aos quais quis dar vida, um lutador, que perdurará para sempre nas nossas mentes, detentor de um ideal: criar uma sociedade justa e igualitária.
    Alio-me à tua homenagem, meu querido amigo. E trouxeste-me à memória outro grande homem,sul americano também, prematuramente e cruelmente afastado de nós, Che Guevara.
    Deixo aqui a minha homenagem a esse poeta português, que eu tive o privilégio de conhecer, que soube imortalizar esta e outras situações injustas e que, também, partiu muito cedo: Ary dos Santos.A poesia foi a sua arma!

    Bem-hajas!

    Abraço fraterno

    ResponderEliminar
  2. Bem hajas, amigo Zé! Vi o filme Chove em Santiago em que o filme começa com a morte do presidente Salavador Allend e onde o grande Che Guevara foi cruelmente assassinado.Sabia da história, ignorava apenas, a data ( dia), porque o ano sabia. 11 de Setembro, é uma data que a humanidade não pode esquecer.Trágicos acontecimentos politicos em 11 de Setembro.
    Bjito amigo, meu amigo, lutador dos direitos da liberdade.

    ResponderEliminar
  3. Da Maria recebi este email:

    " Obrigada. E bem veradade cá nos Estados Unidos ninguém fala nesse dia, há mesmo um grande numero de pessoas que nem sabe da sua existência. O resto de nós até temos medo de mencionar isso pois há sempre o perigo de sermos acusados de não sermos patriotas, o que não é nada agradável para todos os que nascemos noutro país!!!
    Abraço
    Maria Fernandes
    Imagine all people
    Living in peace!!"


    Obrigado, Maria pelo comentário. E já agora as minhas desculpas por ter "corrigido" os acentos.
    Um abraço,
    JG

    ResponderEliminar
  4. À Tecas e à Isamar agradeço os vossos pertinentes comentários. Ainda há pessoas que fazem questão de preservar as nossas Memórias. Bem hajam!
    Um abraço,
    JG

    ResponderEliminar
  5. Zé,

    Até que enfim encontro um post sobre o 11 de Setembro no Chile, mencionei-o pelo menos em dois comentários ao outro 11 de Setembro de que tanto se fala e disse precisamente que com o devido respeito pelos inocentes que morreram nas Torres gémeas, é bom não esquecermos os inúmeros mortos do Chile, não só os daquele dia, mas todos os outros que se perpetuaram ao longo da ditadura Chilena, bem como todos os desaparecimentos que foram em número incalculável e dos quais já poucos falam...eu não posso esquecer porque foi em 1973 e logo a seguir nós alcançavamos a liberdade a 25 de Abril de 1974 e eu casei a 11 de Setembro de 1976 e nesse dia sempre o meu olhar se voltava para o povo Chileno, mesmo sendo um dia de grande significado pessoal.

    Bem-hajas Zé.
    Beijos
    Branca

    ResponderEliminar
  6. Zé,

    Vou transcrever para aqui o meu comentário no blog http://omeusofaamarelo.blogspot.com/, que também fez um post muito interessante, pondo em causa a ideia de poder que se tinha dos Estados Unidos até aí:

    "Salvaguardando a lamentável perda de inocentes que o terrorismo provoca e em homenagem a eles terei que lembrar este dia, mas lembro-o já muitos anos antes, pela perdas de outras vidas num 11 de Setembro no Chile, que todos parecem esquecer e que impôs uma ditadura atroz que não só nesse dia, mas durante muitos anos provocou um sem fim de mortes e desaparecimentos.

    É mais ou menos parecido com o que fiz aqui atràs. :)

    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Obrigado, Brancamar pelos comentários.
    Realmente passei-me com a intoxicação que os meios de comunicação (nacionais e estrangeiros)deram durante mais de uma semana.
    Saiu o blog que fiz, uma forma não muito violenta de manter viva a Memória de um Povo. Penso que Ary dos Santos disse tudo o que foi necessário para se homenagear um Povo que sofreu, só porque o seu presidente sonhou que poderia construir neste mundo uma Terra sem opressores nem oprimidos, onde a Felicidade, a Paz, o Pão, a Educação, a Saúde estava ao alcance de um braço.
    Obrigado, amiga,
    JG

    ResponderEliminar