sexta-feira, 16 de setembro de 2011

E por falar em olhos... Maria Mamede



e por falar em olhos
há pássaros
saudosos/
pousados
na janela
da manhã
que há-de vir

(in "E por falar em olhos..."
Maria Mamede - 24 Set. 2011


Estaremos à vossa espera no dia 24 de Setembro de 2011, pelas 21,30 horas, no Salão Nobre da Junta de Freguesia de Vermoim.

Até lá, um abraço,
José Gomes

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Chile - 11 de Setembro de 1973

Bombardeamento do Palácio de La Moneda - Chile (11 Set. 1973)

Este é o 11 de Setembro de que quase ninguém fala mas que está, de certeza, bem vivo na memória do povo chileno. Por isso mesmo é importante que não deixemos que apaguem esta memória. A nossa Memória também se faz com a Memória dos outros. Visitem esta página:

 Chile - 11 de Setembro de 1973


No dia 11 de Setembro de 1973 um golpe de estado sangrento, comandado pelo general Augusto Pinochet, derrubou o Presidente da República, Salvador Allende, democraticamente eleito três anos antes.

Durante os 17 anos que durou a ditadura de Pinochet foram brutalmente assassinadas 3.197 pessoas (este número inclui 49 crianças de 2 a 16 anos e 126 mulheres, algumas delas grávidas). O número de desaparecidos ainda hoje não está completamente apurado.


Foi desta maneira que Ary dos Santos homenageou o povo e os mártires do Chile:

Homenagem ao Povo do Chile

Foram não sei quantos mil
operários trabalhadores
mulheres ardinas pedreiros
jovens poetas cantores
camponeses e mineiros
foram não sei quantos mil
que tombaram pelo Chile
morrendo de corpo inteiro.

Nas suas almas abertas
traziam o sol da esperança
e nas duas mãos desertas
uma pátria ainda criança.

Gritavam Neruda Allende
davam vivas ao Partido
que é a chama que se acende
no povo jamais vencido.
- o povo nunca se rende
mesmo quando morre unido.

Foram não sei quantos mil
operários trabalhadores
mulheres ardinas pedreiros
jovens poetas cantores
camponeses e mineiros
foram não sei quantos mil
que tombaram pelo Chile
morrendo de corpo inteiro.

Alguns traziam no rosto
um rictus de fogo e dor
fogo vivo fogo posto
pelas mãos do opressor.
Outros traziam os olhos
rasos de silêncio e água
maré-viva de quem passa
uma vida à beira-mágoa.

Foram não sei quantos mil
operários trabalhadores
mulheres ardinas pedreiros
jovens poetas cantores
camponeses e mineiros
foram não sei quantos mil
que tombaram pelo Chile
morrendo de corpo inteiro.

Mas não termina em si próprio
quem morre de pé. Vencido
é aquele que tentar
separar o povo unido.
Por isso os que ontem caíram
levantam de novo a voz.
Mortos são os que traíram
e vivos ficamos nós.

Foram não sei quantos mil
operários trabalhadores
mulheres ardinas pedreiros
jovens poetas cantores
camponeses e mineiros
foram não sei quantos mil
que nasceram para o Chile
morrendo de corpo inteiro.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Tempestade

















Tempestade

Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho,e desta sorte
Sou a crucificada ... a dolorida ...

Sombra de névoa ténue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber porquê...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou!

Florbela Espanca