domingo, 30 de agosto de 2009

30 Agosto 1999 - O dia em que os timorenses votaram pela liberdade


Timor-Leste 1999 - Cronologia


25 Janeiro 1999 - Yusuf Habibie (Presidente da Indonésia) faz a primeira referência pública à possibilidade de Timor-Leste se separar da Indonésia.


27 Janeiro 1999 - O ministro da informação indonésio, Yunnus Yosfia, anuncia que, se os timorenses rejeitarem a proposta de autonomia, o governo indonésio proporá à Assembleia Consultiva do Povo a anulação da integração de Timor-Leste, abrindo a porta à independência.


11 Março 1999 - Portugal e Indonésia acordam em Nova Iorque que a consulta aos timorenses se fará através de escrutínio secreto.


05 Maio 1999 - Assinatura dos Acordos de Nova Iorque entre Portugal e a Indonésia, sob a égide do Secretário-Geral das Nações Unidas, para organização de uma Consulta Popular ao Povo de Timor-Leste.


11 Junho 1999 - 0 Conselho de Segurança aprova a Resolução n° 1246, que institui a UNAMET (United Nations Mission in East Timor).


16 Julho a 5 Agosto 1999 - Recenseamento de 451.719 eleitores em Timor-Leste e na diaspora.


09 Agosto 1999 - Assinatura do Código de Conduta para a campanha política.


10 Agosto 1999 - Acantonamento unilateral das FALINTIL, que, obedecendo às instruções do Comando da Luta, resistem às provocações das forças militares indonésias e das suas milícias.


14 Agosto 1999 - Início da campanha para a consulta popular.


30 Agosto 1999 - Consulta popular: votam 98,6% dos recenseados.


Esta é a fria cronologia dos factos que antecederam o Referendo de 30 de Agosto, há precisamente 10 anos.


Contudo, o dia da consulta popular foi o "Dia". Aquele em que os bravos timorenses ignoraram as ameaças dos indonésios, enfrentaram o medo, e deram ao mundo uma lição de coragem e determinação sem igual.


Dez anos passados, é hora de festejar uma data tão significativa e tão especial, em que os timorenses se uniram em nome dum desígnio maior!


Mas também é hora de pensar no futuro, de reconquistar essa união, de construir um país mais justo e mais próspero.


Os últimos anos são muito promissores e apontam para a Nação livre e independente sonhada com o referendo de 1999.

Parabéns Timor-Leste!

"Libertada a Pátria, libertemos o Povo"!


Publicado por Lena Lorosae, em 24 Agosto 09, no sítio:


http://www.lenalorosae.blogspot.com/



Como complemento e com um grande obrigado, deixo-vos este poema da Palmira Marques, que me enviou recentemente e com ele sauda essa data memorável que deu um novo País ao Mundo:


Meu Timor,


Da raiva, do medo

Da dor…

Meu Timor,


que fizeste o mundo parar,

Para há 10 anos,

Votar!


Meu Timor,


Da saudade,

Do sonho intenso

Da alegria!


Meu Timor


Das chegadas, das partidas,

Dos encontros e desencontros,

Dos ódios, dos abraços

Dos cheiros nauseabundos dos crimes cometidos.


Meu Timor,


De “manhãs mesas de bruma”

De flores mil


Meu Timor


De sorrisos de criança

Brincando em límpidas praias


Meu Timor, meu Timor


Quando acaba esta saudade

Esta imensa mágoa de te não ver?


Palmira Marques


Um abraço,

José Gomes


quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Timor em Bonjóia - Parte II


Continuação do Serão na Quinta da Bonjóia do passado dia 20 de Agosto e cujo tema foi TIMOR.


Amílcar Mendes
dclamou os poemas "Oh Liberdade" de Xanana Gusmão; "Tão Grande Dor" de Sophia Mello Breyner; "Mensagem do Terceiro Mundo"; "Manifesto Maubere"; e "Infância" de Fernando Sylvan.

Fernando Sylvan nasceu em Díli, Timor Leste, em 1917. Pseudónimo de Abílio Leopoldo Motta Ferreira. Foi presidente da Sociedade de Língua Portuguesa. Participou activamente na Resistência Maubere. Foi poeta, prosador, dramaturgo e ensaísta.Morreu em 1993 em Cascais, onde viveu grande parte da sua vida.

Foi um dos mais representativos poetas e escritores Timorenses. Os seus poemas estão reunidos no livro “A Voz Fagueira de Oan Timor” (1993).


Xanana Gusmão, José Alexandre Gusmão, Kay Rala Xanana Gusmão. Nasceu em Manatuto a 20 de Junho de 1946. Pintor, poeta, soldado da Resistência Timorense... Em 1974 aderiu à Fretilin. Em 1975 recebeu o Prémio de Poesia Timorense, (com o Poema Mauberíades). Em 1978, após a morte de Nicolau Lobato, reorganizou a Resistência. Em 1981 foi eleito Comandante-em-Chefe das Falintil. Preso pelo exército indonésio em 20 de Novembro de 1992, foi reconfirmado, em 1998, chefe da Resistência e eleito Presidente do CNRT. Em 1994 foram publicados os seus ensaios políticos: Timor-Leste, Um Povo Uma Pátria (Ed. Colibri-Lisboa). Publicou em 1998 “Mar Meu – Poemas e pinturas” com prefácio de Mia Couto e escrito na prisão. Xanana Gusmão foi libertado em 7 de Outubro de 1999. Em 15 de Novembro de 1999 recebeu o Prémio Sakharov. Foi presidente da República Timorense e actualmente é o primeiro ministro.


Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu no Porto, em 1919, viveu em Lisboa, onde estudou e tirou o curso de Filologia Clássica e faleceu no dia 2 de Julho de 2004. É considerada uma das poetisas e escritoras de livros para crianças mais importantes da Literatura Portuguesa. Em 1999 recebeu o Prémio Camões. Em 2003 foi distinguida, em Espanha, com o Prémio Rainha Sofia.

Dos poemas declamados pelo Amílcar escolhi estes de Fernando Sylvan:



Mensagem do terceiro mundo
 
Não tenhas medo de confessar que me sugaste o sangue
E engravataste chagas no meu corpo
E me tiraste o mar do peixe e o sal do mar
E a água pura e a terra boa
E levantaste a cruz contra os meus deuses
E me calasse nas palavras que eu pensava.
 
Não tenhas medo de confessar que te inventasse mau
Nas torturas em milhões de mim
E que me cavas só o chão que recusavas
E o fruto que te amargava
E o trabalho que não querias
E menos da metade do alfabeto.
 
Não tenhas medo de confessar o esforço
De silenciar os meus batuques
E de apagar as queimadas e as fogueiras
E desvendar os segredos e os mistérios
E destruir todos os meus jogos
E também os cantares dos meus avós.
 

Fernando Sylvan

 
 




Espero que gostem. Mas ainda há mais...


Um abraço,


José Gomes