sexta-feira, 29 de maio de 2009

Canção de Ninar Para Rosalia



Imagens colhidas da Net


Canção de Ninar

Para Rosalia de Castro, morta


Ergue-te, minha amiga,

Que já cantam os galos do dia!

Ergue-te, minha amada,

Porque o vento muge como uma vaca!


Os arados vão e vêm

De Santiago a Belém.


De Belém a Santiago

Um anjo chega num barco.

Um barco de prata fina

Trazendo a dor de Galícia.


Galícia deitada e queda

Transida de tristes ervas.

Ervas que cobrem teu leito

E a negra fonte dos teus cabelos.

Cabelos que vão ao mar

Onde tem as nuvens ninho pombal!


Ergue-te, minha amiga!

Que já cantam os galos do dia!

Ergue-te, minha amada

Porque o vento muge como uma vaca!


Frederico Garcia Lorca





Rosalia de Castro

(Santiago de Compostela, 1837 - Padrón, 1885)


Escritora galega. Descendente, por parte de sua mãe, de uma família da velha nobreza, o facto de ser filha ilegítima de um sacerdote marca-a profundamente desde muito jovem. Escreve em galego e em castelhano e acaba por se tornar um elemento preponderante do «Resurdimento Galego». Aos vinte anos publica La flor, seu primeiro livro de versos. Nos seus Cantares gallegos (1863), breves glosas de canções populares, manifesta a sua intensa nostalgia da terra galega. Em Follas novas (1880), obra de uma maior intensidade lírica, exprime a sua intimidade com mestria e simplicidade, abordando a natureza como puro símbolo da sua nostalgia desenganada. En las orillas del Sar (1885) acentua-se o seu pessimismo. Os temas predominantes nesta colectânea são a inelutável realidade da dor, a inexorável passagem do tempo e um obsessivo sentimento da morte. No conjunto, a sua obra gira em torno de três temas básicos: uma visão costumeira da Galiza rural, um conteúdo metafísico que a parece aproximar da filosofia existencial e a denúncia das assimetrias sociais da Galiza. Por outro lado, Rosalía é uma importante inovadora estilística, pois utiliza novos ritmos, mais flexíveis e harmoniosos do que os usuais na sua época.


(http://www.vidaslusofonas.pt/rosalia_de_castro)



6 comentários:

  1. Desconheço esta escritora...
    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  2. Olá meu Irmão ...
    Que bom que me/nos trouxeste a lembrança de Rosalia!
    Muito esquecida, apesar de tão cantada por Amancio Prada (principalmente).
    Um abraço especial de agradecimento por isso!!

    Beijos

    Maria Mamede

    ResponderEliminar
  3. K bela nota e lembrete desta mulhaer notável k se regista na memória e acarinha.
    Bom Domingo
    Bjs
    Luz e paz em teu caminhar

    ResponderEliminar
  4. Vejam o artigo sobre a "barraca" do sindicato amarelo SINTAP na Câmara Municipal do Seixal no blogue O Flamingo.

    ResponderEliminar
  5. José Sócrates diz que "“Ainda está para nascer um primeiro-ministro que faça melhor do que eu”. Novo artigo sobre essas declarações do nosso PM e acerca das propostas do seu "amiguinho do Seixal", Samuel Cruz. Tudo no blogue O Flamingo.

    ResponderEliminar
  6. Este poema Canção de Ninar à Rosalia de Castro do Frederico Garcia Lorca, tem tanta ternura que é sempre um prazer reler.
    Para ti meu amigo Zé, que continuas sempre a sonhar e a lutar por um ideal, deixo aquele abraço amigo

    ResponderEliminar