segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Palavra e acção revolucionárias




Para mais completas informações, visitem:

http://revolucionaria.wordpress.com/



"PALAVRA E ACÇÃO REVOLUCIONÁRIAS

Hoje vou pedir a vossa atenção para as palavras que vou transcrever de um Revolucionário do nosso tempo.

” Antes de tudo, estamos numa revolução. Agora uma revolução não quer dizer desordem nem quer dizer indisciplina. um dos grandes perigos da nossa revolução é a desordem e a indisciplina. não é verdadede que existe no próprio seio das Forças Armadas, devido a questões de ordem política, de ordem ideológica e propriamente até de interesses de classes, porque nós temos de enfrentar isso com toda a clareza! E não sei se todos os camaradas, quando aprovaram aquí as directrizes sobre a opção do MFA pelo socialismo, estavam bem conscientes do que isso representa. Não basta a gente dizer que optámos pelo socialismo. Há toda uma ganga, todo o meio em que nós vivemos, toda a nossa vida, os estratos sociais a que pretencemos e de que nos temos de libertar, se queremos, de facto, optar pelo socialismo e caminhar nesse sentido. Mas mesmo nós, até como somos em larga escala pequenos burgueses, estamos ligados a esses interesses; uns são filhos de pequenos comerciantes, outros são de pequenos lavradores, outros de de funcionários,etc…Nós tambem podemos fazer parte deste tal bloco histórico de apoio. O que é preciso é que tenhamos noção disso, que estas coisas não se fazem por varinhas de condão, nem por milagres, e que se desenrolam todas no seio de uma aguda luta de classes.

Não é uma palavra vâ o facto de aquilo que o brigadeiro Corvacho disse no Porto de que o capital nos move uma luta de morte. A gente ou tem a noção disto ou não tem. se a gente pensa que as lutas entre o Partido socialista e o Partido Comunista  são lutas entre o Benfica e o Sporting, então não há dúvida nenhuma que nós estamos afundados e vamos para o fundo. Agora se pensarmos que são lutas muito mais profundas, são lutas através das quais se manifestan as lutas de classes e os objectivos finais dos seus estratos sociais, então já podemos ver com muito mais lucidez essas lutas.

Aliás eu gostaria que me explicassem se o processo viveu muito depressa até agora, como é que poderia ter sido vivido mais devagar, (por exemplo como é que poderia ter vivido mais devagar até ao 28 de Setembro. Como é que poderia ter vivido mais devagar até ao 11 de Março). Penso que agora neste momento estão criadas as condições mínimas para  o socialismo. É que nós temos o problema de dominar o processo. Estamos na sua fase de construção, agora sim pê-se essa questão do ritmo e, de facto temos de ter muito cuidado com esse ritmo, porque nós não podemos deslocar a nossa  vanguarda daqueles que devem ser a nossa base de apoio, porque ás duas por três, de facto, o pelotão está deslocado da base de apoio.

Transcrevi parte de uma intervenção do General Vasco Gonçalves, na Assembleia do MFA. em 25/07/1975

Companheiro, tu sózinho não és nada! Juntos temos o Mundo na mão

Um abraço do tamanho do mundo para todos!"


Agradeço ao   "Cheira-me a Revolução" (http://revolucionaria.wordpress.com/) terem-me facultado este artigo.


Um abraço,


José Gomes




4 comentários:

  1. Olá Zé boa noite!
    Desculpa; não venho "falar" do teu post. Venho somente agradecer o que deixaste no meu Blog. Mesmo sem o saber, fiz-te a vontade e li-o. Fiquei contente por teres gostado, apesar da minha/nossa comoção.
    Beijos

    Maria Mamede

    ResponderEliminar
  2. Sempre em Luta!
    Abraço

    #Ludo Rex

    ResponderEliminar
  3. Olá querido Amigo, belíssimo gostei!... Bom fim de semana, Beijinhos de carinho,
    Fernandinha

    ResponderEliminar
  4. Perdi-te e encontrei-te....
    O que mexeste com a minha memória... lembras-te que fez agora 33 anos que houve "um domingo diferente"? Pois foi o que o teu post me trouxe à memória...

    Beijo, que já tinha saudades

    ResponderEliminar