quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Salvador Allende e o golpe no Chile







… Salvador Allende:



Os últimos dias de Salvador Allende e do Governo de Unidade Popular

O presidente do Chile, Salvador Allende, declarou logo após a sua eleição:

A história ensinou-nos que os grupos ultra-revolucionários não desistem do poder e lutam para conquistá-lo”.

Esta previsão, feita três anos antes, veio a tornar-se realidade no dia 11 de Setembro de 1973, data do golpe sangrento comandado por Augusto Pinochet.

 

4 de Setembro de 1972:

Salvador Allende denunciou, em vão, nas Nações Unidas, as tentativas norte-americanas de destabilização do Chile. A situação económica tornou-se catastrófica. O povo protestou em manifestações turbulentas. A organização da extrema-direita "País e Liberdade" tornou-se violenta. As mulheres protestaram contra a falta de alimentos básicos. Os camionistas organizaram um boicote na estrada, bloqueando o tráfego com milhares de camiões. A economia entrou em rotura...

11 de Setembro de 1973:

Em 11 de Setembro de 1973, as forças armadas chilenas, comandadas pelo general Augusto Pinochet e com o apoio e financiamento dos Estados Unidos, derrubaram o governo de Unidade Popular de Salvador Allende, democraticamente eleito 3 anos antes.

Neste dia e apesar dos vários pedidos feitos ao presidente Allende para renunciar ao cargo (e até lhe ofereceram, a ele e à sua família, refúgio no exterior!), este não aceitou a proposta dizendo, num discurso difundido pela rádio, na manhã de 11 de Setembro de 1973:

“ (…) Trabalhadores de minha Pátria, tenho fé no Chile e no seu destino. Outros homens hão-de superar este momento cinza e amargo em que a tradição pretende impor-se. Prossigam vocês, sabendo que, bem antes que o previsto, de novo se abrirão as grandes alamedas por onde passará o homem livre, para construir uma sociedade melhor. Viva o Chile! Viva o Povo! Viva os Trabalhadores! Estas são minhas últimas palavras e tenho a certeza que o meu sacrifício não será em vão. Tenho a certeza que, pelo menos, será uma lição moral que castigará a deslealdade, a covardia e a traição."

(Últimas palavras de Salvador Allende à Nação, Pouco minutos passavam das 9 horas, da manhã do dia 11 de Setembro de 1973).

Cercados no palácio presidencial e bombardeados pela Força Aérea, Allende e alguns colaboradores leais resistiram de armas na mão. Foram todos mortos em circunstâncias até hoje desconhecidas.

O exército chileno - liderado por Augusto Pinochet - não teve qualquer humanidade com os militantes do Partido da Unidade Popular. A repressão militar foi vingativa e intolerante.

 

Trinta mil pessoas foram assassinadas e mais de cem mil pessoas presas e torturadas.

 

Foram 17 longos anos que durou a ditadura de Pinochet. Este morreu em Dezembro de 2006 sem nunca ter sido julgado pelos seus crimes.


Homenagem ao Povo do Chile


Foram não sei quantos mil
operários trabalhadores
mulheres ardinas pedreiros
jovens poetas cantores
camponeses e mineiros
foram não sei quantos mil
que tombaram pelo Chile
morrendo de corpo inteiro.

Nas suas almas abertas
traziam o sol da esperança
e nas duas mãos desertas
uma pátria ainda criança.

Gritavam Neruda Allende
davam vivas ao Partido
que é a chama que se acende
no povo jamais vencido.
- o povo nunca se rende
mesmo quando morre unido.

Foram não sei quantos mil
operários trabalhadores
mulheres ardinas pedreiros
jovens poetas cantores
camponeses e mineiros
foram não sei quantos mil
que tombaram pelo Chile
morrendo de corpo inteiro.

Alguns traziam no rosto
um rictus de fogo e dor
fogo vivo fogo posto
pelas mãos do opressor.
Outros traziam os olhos
rasos de silêncio e água
maré-viva de quem passa
uma vida à beira-mágoa.

Foram não sei quantos mil
operários trabalhadores
mulheres ardinas pedreiros
jovens poetas cantores
camponeses e mineiros
foram não sei quantos mil
que tombaram pelo Chile
morrendo de corpo inteiro.

Mas não termina em si próprio
quem morre de pé. Vencido
é aquele que tentar
separar o povo unido.
Por isso os que ontem caíram
levantam de novo a voz.
Mortos são os que traíram
e vivos ficamos nós.

Foram não sei quantos mil
operários trabalhadores
mulheres ardinas pedreiros
jovens poetas cantores
camponeses e mineiros
foram não sei quantos mil
que nasceram para o Chile
morrendo de corpo inteiro.


José Carlos Ary dos Santos



14 comentários:

  1. Allende viv na nossa memória, jamais será esquecido. O outro 11 de setembro. Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Que emoção enorme! Obrigada meu amigo por trazeres de volta à nossa memória estes factos que nunca poderão ser esquecidos! E esta música que nos lembra o Chile e o nosso 25 de Abril!
    Infelizmente... o povo não quer ser unidos...

    ResponderEliminar
  3. José

    Belo post que nos faz resgatar a memória da América Latina e do mundo para que nunca fique esquecida.
    O cruel e sangrento Augusto Pinochet sobe ao poder no Chile através de um golpe militar, em 11 de setembro de 1973, que derruba Salvador Allende, o primeiro presidente socialista eleito democraticamente num país latino-americano.
    O Chile deixa de ser a sociedade liberal que era desde 1930. Torna-se palco de uma repressão criminosa, torturas e assassinatos. Os chilenos perdem não só seus direitos, mas também os direitos adquiridos com as reformas de Allende: liberdade política; liberdade de expressão; liberdade de imprensa; programas sociais para a infância; direito à educação universitária; reforma agrária; sindicatos; organizações de serviço social; e fábricas e minas, que são devolvidas aos monopólios chilenos e estrangeiros.
    E Pinochet, que justificou o golpe contra Allende apontando a nacionalização das minas de cobre, empreende essa própria nacionalização quando sobe ao poder...

    Podre poder de Pinochet!

    AVANTE COMPANHEIRO!

    Desculpa a extensão do texto, fico empolgada....

    ResponderEliminar
  4. Excelente! Salvador Allende será sempre recordado com uma das bandeiras da resistência a favor da liberdade e da justiça!

    Um Abraço

    ResponderEliminar
  5. Nunca poderá ser esquecido.
    Allende foi eleito democráticamente.
    Assassinado num golpe de estado que contou com o apoio dos EUA.
    Milhares de pessoas foram executadas, torturadas e desaparecidas.
    Pinochet morreu de velho!

    bjks

    ResponderEliminar
  6. Olá Zé,

    Nem de propósito, acabei de ver há pouco as campanhas grotescas e publicitárias do 11 de Setembro nos Estados Unidos e falei com a família como era possível que não se falasse no 11 de Setembro no Chile. Apesar de todo o respeito pelas vítimas civis nos E.U.A., o Chile não as teve só naquele fatídico dia, continuou a tê-las durante todos aqueles longos anos da ditadura, desaparecimentos, mortes, tortutas, etc. Como é possível que este mundo seja tão hipócrita e que a Imprensa tenha perdido a função de informar? Como é possível que se pactue durante horas e em todos os notíciários com uma pseuda homenagem às vítimas, que não é senão um aproveitamento das vítimas? E se querem realmente fazer uma homenagem a todas as vítima da injustiça humana, então no mínimo deveriam noticiar em igualdade de circunstâncias os dois acontecimentos.
    Casei no 11 de Setembro de 1976, faz hoje 32 anos, o golpe contra Allende tinha marcado a minha juventude apenas três anos antes e logo depois nasceu uma esperança neste país apoiada muitas vezes naquele exemplo, mas a generosidade é sempre cega, porque é feita de amor e não de cifrões...
    É uma data que trago para sempre no coração, por Allende, por Neruda, por todos os outros...
    Bem hajas por a lembrar.
    Beijinhos.
    Branca

    ResponderEliminar
  7. Pois eu vou dedicar o tema "Salvador Allende" dos já extintos 77.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  8. El pueblo unido jamás será vencido!

    O ONZE DE SETEMBRO QUE A MÍDIA NÃO QUER LEMBRAR!


    Quantos Mártires mais precisarão existir até o dia que o Mundo todo ACORDE e dê um BASTA JÁ?!

    ResponderEliminar
  9. É preciso que não se esqueça

    ResponderEliminar
  10. Estou contigo. Sem palavras mas com o sonho sempre presente. Virá o dia em que o Homem será livre. Assim o espero, assim o desejo,por isso luto.

    Bem hajas, Zé!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Ontem à noite ainda fiz um post com link para ti e para a Isabel.
    Bem hajam por lembrarem este 11 de Setembro.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  12. LISBOA * PORTUGAL
    ferreihenrique@gmail.com


    Boas

    Olá! Passei de novo por aqui para saber de ti e das tuas coisas. Parece-me que vão óptimas. Parabéns! Já to disse, mas repito, que gosto deste blogue. Voltarei, um destes dias. Tu merece-lo; e, além disso dá-me um ganda gozo!

    Continuo a esperar-te também no meu Travessa do Ferreira (www.travessadoferreira.blogspot.com). Se não, vai lá pela primeira vez. Não custa nada – nem dói… Palavra que ficarei muito contente. Avinça!.
    Qjs/Abs

    ResponderEliminar
  13. EM TEMPO

    Volto. Há um novo concurso no Travessa do Ferreira – www.travessadoferreira.blogspot.com . Até às 24:00 de quarta-feira, 17.
    Com prémios, como habitualmente. Concorre! Ainda vais a tempo!!! Espero a tua visita.

    ResponderEliminar