terça-feira, 6 de maio de 2008

Em mim há sempre Gaivotas...

"Em mim há sempre Gaivotas" - Foto de José Gomes


Na "Noites de Poesia de Vermoim" do passado Sábado (3 de Maio) ouvi a poetisa Maria Mamede declamar "Porque em mim há sempre Gaivotas", um poema da sua autoria e que se encontra no seu livro de poesia "Pelas Letras do Alfabeto", lançado em 2001.

Não resisto à tentação de compartilhá-lo convosco, pena é que não consiga fazer-vos chegar a voz e o sentimento da Maria Mamede ao declamá-lo:

Porque em mim há sempre Gaivotas

Eu tenho sempre Gaivotas

Do pensamento ao desejo
Que chegam em cada abraço,
Que partem em cada beijo,
Eu tenho sempre Gaivotas
Do pensamento ao desejo!


Eu trago sempre Gaivotas
Neste céu onde eu existo,

Gaivotas de dor profunda,
Dessa dor de que me visto,
Eu trago sempre Gaivotas
Neste céu onde eu existo!


Em mim há sempre Gaivotas
Em bandos, como pardais,

Gaivotas de Liberdade,
Morrem muitas, nascem mais;
Em mim há sempre Gaivotas,
Em bandos, como os pardais!
Que eu, tenho sempre Gaivotas
Do pensamento ao desejo,
Que partem em cada abraço,
Que chegam em cada beijo.
Que nascem no Coração,
Levantam voo da mente,

Gaivotas feitas futuro
E passado, e presente,

Gaivotas de todo o Amor,
De sorriso, de partida,

Gaivotas feitas de morte,
De saudade e despedida;
Que ser Gaivota, é ser forte,
É ser Livre para Amar,
É ser Livre de partir,
É ser Livre de chegar,
Livremente viajando
Nas vagas de cada olhar;
E, porque me perco no tempo
Por no tempo andar perdida,
Por isso, é que há Gaivotas
Dentro em mim, por toda a VIDA!...

(Maria Mamede)



~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~



Na "reportagem" da "Noites de Poesia em Vermoim" publicada em 4 de Maio (ver http://movimentum-blogando.blogspot.com/) esqueci de mencionar o convite (ver acima) da Alice Macedo Campos que foi anunciado durante esta Sessão.

A Alice Macedo Campos, no próximo Sábado, dia 10 de maio, pelas 16,00 horas, no auditório da Casa-Museu Abel Salazar, em S. Mamede Infesta, vai lançar o seu livro de poesia "O Ciclo Menstrual da Noite".


Agradeço a divulgação deste lançamento e, claro, a dentro do possível a vossa presença e de mais um amigo...


Aquele abraço,


José Gomes

6 comentários:

  1. Belo poema Amigo. Um abraço em Liberdade

    ResponderEliminar
  2. Belo o poema da Maria Mamede:)
    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Mais uma vez esta poetisa me impressiona. Uma bela criação!
    Como adoro vê-la Gaivota, assim, partindo para chegar logo depois, com asas de palavras como estas.
    FERNANDO PEIXOTO

    ResponderEliminar
  4. Um poema da Maria Mamede é sempre uma obra de arte. Com maestria essa poeta amiga faz um hino à Liberdade, ao Amor, à solidariedade...

    Voa Gaivota!

    Quanto a ti, Zé, deixo-te um beijinho e agradeço a divulgação da poesia que se diz em Vermoim. Excelente!

    ResponderEliminar
  5. Cheio de força o poema da Maria Mamede! Divinal...beijos.

    ResponderEliminar
  6. Parabéns a ambos, a ti e à Maria Mamede.
    Se puderes, passa no Escrito a Quente. O post mais recente é um apelo pessoal.
    Beijos.

    ResponderEliminar