sexta-feira, 31 de agosto de 2007

“Che” Guevara



GUEVARA

Não choro, que não quero
Manchar de pranto
Um sudário de força combativa.
Reteso a dor, e canto
A tua morte viva.

A tua morte morta
Pelo próprio terror em que ficaram
À sua frente
Aqueles que te mataram
Sem poderem matar o combatente.

O combatente eterno que ficaste,
Ressuscitado
Na voluntária crucificação.
Herói a conquistar o inconquistado,
Já sem armas na mão.

Quem te abateu, perdeu a guerra santa
Da liberdade.
Fez brilhar na manhã do mundo inteiro
Um sol de redentora claridade:
O teu rosto de Cristo guerrilheiro.

Miguel Torga


Che Guevara é um dos heróis da minha juventude, um dos meus ídolos e uma referência de luta e determinação... Tornou-se num mito e é com muita alegria que volto a vê-lo no peito de muitos jovens.

Neste ano em que comemoramos os 1oo anos de nascimento de Miguel Torga achei que é oportuno divulgar este seu poema.

... e para que a história não esqueça…


Che Guevara morreu no dia 9 de Outubro de 1967 na aldeia boliviana de Higueras.

Foi assassinado, com apenas 39 anos de idade, por "Boinas Verdes Quíchuas", tropas de elite bolivianas, treinada pelos Estados Unidos, especialmente para esse fim.

Che Guevara morreu como queria: lutando por um ideal que considerava justo.

Em 1997, trinta anos depois do assassinato de Che Guevara, os seus restos mortais foram descobertos numa vala comum na cidade de Vallegrande, na Bolívia, por antropólogos argentinos e cubanos.

Em 17 de Outubro de 1997, Che Guevara foi enterrado na cidade cubana de Santa Clara (onde liderou uma batalha decisiva para o derrube do ditador Fulgêncio Baptista), com a presença da família e de Fidel de Castro.

Embora os seus ideais sejam românticos aos olhos de um mundo globalizado, ele transformou-se num símbolo na história das revoluções do século XX e num exemplo de coerência política.

A sua morte determinou o nascimento de um mito, até hoje símbolo de resistência para os países latino-americanos.

(…)

Quem te abateu, perdeu a guerra santa
Da liberdade.
Fez brilhar na manhã do mundo inteiro
Um sol de redentora claridade:
O teu rosto de Cristo guerrilheiro.

Miguel Torga


José Gomes
-------------
"Hasta Siempre" - Carlos Puebla

22 comentários:

  1. Olá Zeca!!!
    Que beleza meu Irmão, que beleza!
    Fiquei comovidíssima!!!
    E refiro-me à beleza do Poema , à música que conheço, ao que dizes de Che e porque o relembras aqui e ainda porque é bom recordar e não deixar morrer a sua/nossa ânsia de Liberdade!

    Beijos Zé!

    Maria Mamede

    ResponderEliminar
  2. Caro Zé: Comungo com a Maria Mamede das suas palavras.
    Penso que haverá, no dia 6 de Outubro, um dos teus habituais recitais de poesia em Vermoim.
    Não seria altura de convocar todos os poetas e cantores para escreverem (e cantarem)sobre Che e poderem, nessa noite, evocá-lo?
    Só acho (e perdoem-me os que não concordam) que não deveríamos misturar alhos com bugalhos, isto é, aproveitar a noite para dizermos outra poesia que não a evocativa do imortal Guevara.
    Fica o desafio e, se for aceite, eu estarei lá.
    Um abraço e obrigado por este post.
    FERNANDO PEIXOTO

    ResponderEliminar
  3. Obrigado José Gomes.
    Não posso impedir o lacrimejar de meus olhos enquato leio Miguel Torga, e ouço o POVO como o de Che Guevara.
    ... Mas a sociedade está tão distante destes valores que ainda mais me magoua continuar a ler e ouvir.
    Que frustação e dor saber que a sociedade adormeceu para estes valores.
    ´R preciso dizer e gritar à nova geração que aquele rosto que ostentam na sua camisola, tem uma história de virtude na paz e progresso solidário entre os povos.
    Abraço e obrigado

    ResponderEliminar
  4. Olá, através do amigo Faria, conheci este blog, e claro este magnífico Post a CHE.

    Eu também idolatro o "Comandante", grande lutador e um dos maiores símbolos do Socialismo de todos os tempos.

    Visita o meu cantinho e verás, lá um post de tributo a CHE GUEVARA.

    Hasta siempre, e siempre CHE!!!

    Abraços do Beezz

    ResponderEliminar
  5. Um post lindíssimo! Uma evocação comovente! Che nunca será esquecido! É um ser de incontornável grandeza. Reitero a sugestão do Fernando Peixoto. E se fizessem uma sessão evocativa de Che Guevara no primeiro sábado de Outubro?
    Deixo beijinhos a poucas horas do reinício de mais um ano de noites de poesia em Vermoim.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Zé, partilho e agradeço.
    Nunca tive "ídolos" no sentido corrente.
    Mas Che, foi e será um ícone k smp guardo em meu peito e mente.
    Um ser humano k soube dar corpo ao seu sonho de liberdade e disso nos deixar testemunho escrito com palavras ,o seu sangue e a vida.
    É, e repito a forma verbal «É», sem dúvida,das figuras da história recente a k + respeito e admiro.
    Li o poema e comoveram-se-me coração e olhos.
    Guardo a foto dele morto k, creio, inspirou este poema, num dos livros de poesia do zé Gomes Ferreira.
    Abre-se o livro e ele, Che, lá está. Estão bem juntos.
    Pelo menos nós, a nossa geração teve ícones com sentido. Não tivemos, nem adeririamos aos k agora se fabricam e são fabricados, e refiro-me p.ex. a Lady Di.
    Se fez coisas meritórias não chegam, em meu entender, para todo o alarido mediático. Mas há piores.
    Os k são alçados a ícones, paradigmas, qnd nada, nada fizeram ou fazem k sirva ou melhore a humanidade e o mundo.
    Pobres vamos todos, cada vez + pobres qnd nem os seres k elegemos como "diferentes" (e não implica perfeição nem nada semelhante), k servem de modelos à maioria dos jovens e não só seguem e imitam ou aspiram ser, são seres fúteis.
    Viva Che.
    Vivam o ideal e o sonho, a luta, a resistência em nome desses valores.
    Só eles valem a pena e alçam o "homem" ás estrelas.
    Bom f.s.
    Bjs p/ vocês
    Luz e paz

    ResponderEliminar
  7. Uma boa surpresa, este blog.
    Gostei e voltarei.
    Segunda surpresa, foi constatar que és de Gueifães, a terra onde passei as férias, maiores e mais pequenas, da minha infância e adolescência.

    ResponderEliminar
  8. Bela e rica lição de história... e de poesia, ambas de grande importância para a luta do dia a dia, a presença deles deveria ser constante no nosso pensamento, não é por acaso que os governantes não se associam às homenagens de pessoas como eles Torga, sinceramente só agora fiquei a conhecer mais um pouco da sua vida na passagem pela passagem da data do seu nascimento, Che Guevara uma referência que faz falta divulgar... parabéns!

    ResponderEliminar
  9. Recebi este email de José Silva:

    De: José Silva
    Data: 03-09-2007 23:08:07

    Assunto: "CHE"

    Subscrevo por inteiro a sugestão/proposta do Fernando Peixoto.
    Vamos a isso!

    ResponderEliminar
  10. Olá, Zé!

    Passei para reler e ouvir a música.É tão bom ficar por aqui um bocadinho!
    Vai postando, amigo!
    Quanto a Che, já sabes o que penso.Aqueles que fizeram da Liberdade uma bandeira lutando contra os que se julgam ou julgaram senhores do mundo têm o meu eterno respeito.
    Beijinhosss

    ResponderEliminar
  11. ola ze
    venho aqui fazer queixinhas naqueles desespero que aflige os meus miudos quando as coisas nao lhes correm bem e vem puxar a minha bata a procura de consolaçao.
    eu estava a ler a reportagem da poesia de vermoim e tudo para a meio da musica que la esta e nao anda mais para biaxo. ja viste ze?
    beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Junto-me à Leonor na "reclamação". Não podemos deixar comentário e , como sabes, gosto de o fazer sempre.
    Fico mais um bocadinho a ouvir a música, sempre excelente.Além dos posts que têm a qualidade e o bom gosto de sempre.
    Deixo beijinhos, para ti e Milú.

    ResponderEliminar
  13. Antes de “fechar” este blog quero agradecer a todos as visitas e os comentários deixados.

    De Amor e de Terra
    Olha, Mamede, continuas a ser um dos motivos porque ainda não mandei tudo isto à fava! Mas sabe bem ouvir as tuas palavras…

    Helena e Fernando Peixoto
    Caros amigos, é difícil dar uma resposta a este vosso comentário. Realmente em 6 de Outubro teremos a nossa habitual sessão de poesia, com tema agendado desde o início do ano. Cheguei a pensar em substituir o tema livre por um tema dedicado ao CHE e assim teria lugar a evocação de Che Guevara. Mas achamos que esta forma seria, como dizes, “misturar alhos com bugalhos”. A Mamede optou, então, fazer a sessão evocativa do Che no Flor de Infesta, do dia 19 de Outubro. Mesmo assim, no tema livre de Vermoim, do dia 6 de Outubro, irei ler e falar do Che.

    JOSÉ FARIA
    Mas é assim mesmo Zé, nós comovemo-nos com estes nomes que marcaram a nossa geração. Mesmo com a sociedade adormecida temos de fazer barulho para que acorde e não deixar cair no esquecimento os nomes daqueles que lutaram por um mundo novo a sério. Cabe a nós essa tarefa!

    Beezzblogger
    Amigo, agradeço a visita e fico feliz por saber que há mais gente a empunhar a bandeira da luta. O teu cantinho é muito interessante e convido os leitores a visitá-lo (http://beezzblog.blogspot.com/).

    Sophiamar
    Olá Isabel. Como já disse ao Peixoto, se a Mamede ajudar, faremos a Sessão evocativa do Che em S. Mamede Infesta. Em Vermoim, no dia 6 de Outubro, vou ler poemas sobre o Che.

    TMara
    Realmente o Che trocou uma vida de sucesso (médico) por uma vida dedicada a um ideal, à construção de um mundo de liberdade, de Paz, sem exploradores nem explorados. Não chegou a ver o seu sonho realizado, mas esta frase foi o seu caminho na vida: "No momento em que for necessário, estarei disposto a entregar a minha vida pela liberdade de qualquer um dos países da América Latina, sem pedir nada a ninguém..."

    a.filoxera
    Gostei muito da tua visita e como sou um cusco do caraças (desculpa o termo!!!) fui dar uma espreitadela ao teu blog e gostei do que li e do que vi.
    Não sou de Gueifães, vim para aqui há dez anos e esta freguesia evoluiu de tal maneira que descaracterizou toda a sua componente rural. Dizem-me que isto aqui era um paraíso, mesmo na rua onde moro, que é no centro de Gueifães.

    Adérito
    A minha intenção, amigo, foi não deixar cair no esquecimento Che Guevara. Como não deixarei que a história faça tábua rasa aos acontecimentos no Chile em 11 de Setembro de 1973. Espero fazer alguma coisa para o Adriano Correia de Oliveira, em Outubro, no aniversário da sua partida.

    José Silva
    Foi com muito prazer que recebi o teu comentário e reparo com agrado que subscreves a proposta do Fernando. Já comecei a tratar do CHE.

    Leonor
    Olá, amiga. Vi o post, testei-o noutro computador e está tudo OK. Agora a Sophia está a dizer que não consegue comentar… espero que não tenha dado nenhum nó cego nisto.



    Um abraço a todos vós, aos que comentaram e aqueles que apenas me deram o prazer da sua visita.

    José Gomes

    ResponderEliminar
  14. Zé, agradeço os parabéns, mas é a filha, não a neta.
    bjs
    Luz e paz

    ResponderEliminar
  15. ola ze
    está tudo na mesma. é pena
    beijinhos

    ResponderEliminar
  16. Tmara, as minhas desculpas em nome teclado. Foi ele que trocou as teclas...!!!!

    Leonor, não sei o que se passa. De todos os testes que fiz está tudo bem. Mais ninguém se tem queixado... desculpa!

    José Gomes

    ResponderEliminar
  17. Passei ,entrei e cumprimento
    saudações amigas

    ResponderEliminar
  18. Queixo-me eu também, Zé! E tenho tanta pena de não poder comentar no movimentum!
    Mas vais fechar este blogue?
    Ó Zé , gosto tanto dos teus posts!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  19. Por considerar este espaço merecedor da Corrente da Amizade o Blog "ALVITO" nomeou-te. Passa por lá e levanta a foto.


    Abraço

    ResponderEliminar
  20. Fraterno abraço e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  21. "Che Guevara morreu como queria: lutando por um ideal que considerava justo."

    Não morreu, não. Continua bem vivo no coração de todos que amam a liberdade.

    Evocação brilhante acompanhada de um belo poema de Miguel Torga.

    Abraço

    ResponderEliminar