segunda-feira, 9 de abril de 2007

Abril e Liberdade
25 de Abril, sempre!













É Tempo de Adriano voltar a cantar!

Adriano Correia de Oliveira nasceu no Porto (Rua Formosa, 370) em 9 de Abril de 1942 e foi com poucos meses morar para Avintes, na Quinta das Porcas.

Neste dia em que festejamos o seu 65º aniversário quero homenagear, duma forma singela, o Amigo, o Sonhador, o Homem digno que nunca se deixou subverter pelo estatuto de vedeta e que sempre acreditou que um dia Abril seria aquela ponte que nos levaria a um Mundo Novo.

Conheci Adriano nos meus tempos do liceu — ele, no Alexandre Herculano e eu no D. Manuel II — quando nos cruzávamos à esquina do Carolina Michaellis (próximo do liceu D. Manuel II) ou à esquina do liceu Rainha Santa Isabel (no outro extremo da cidade e mais próximo do Alexandre) à espera da saída das jovens e bonitas meninas desses liceus femininos!

A troca daqueles comentários próprios de rapazes que começavam a olhar para a sombra e o sentir que estávamos a pisar em terreno alheio, deu azo a frases que tinham a ver com a nossa constituição física: — ele e eu éramos “gigantes”, mas só em altura! Ele, muito mais corpulento e eu um magricelas…

Adriano chamava-me “Estica” ou “Torre dos Clérigos”, alcunhas de que não gostava mesmo nada e que me aferroavam de tal maneira que me obrigava a tomar atitudes que instigavam, ainda mais, o gozo dos meus “adversários”.

Mas pior que tudo isto, quem mais ria eram as ditas miúdas, alunas daqueles Liceus, onde eu ia alegrar “o olho”, e que acabavam sempre por assistir a um espectáculo que não estava no meu programa!!!

Com o tempo estas querelas da juventude foram sendo substituídas por conversas mais interessantes, desde o desporto ao teatro, do cinema à música, terminando quase sempre nos nossos ideais de um País em construção.

Ainda encontrei Adriano por Avintes e, mais tarde, no Porto e em outros locais, em noitadas académicas, em jornadas de luta ou no meio de amigos comuns.

Um dia, já depois do 25 de Abril, voltei a encontrá-lo no Pavilhão do Académico, no Porto, envolto na sua capa de estudante, viola pousada no chão, com a sua barba característica — que contrastava com a minha longa pêra, bigode e cabelos compridos— esperando a sua vez de actuar. Olhou para mim, soltou uma gargalhada e disse-me:

— Oh, pá, quase que nem te conhecia, pareces mesmo o J.C.!

E rimos, no meio do pessoal que nos rodeava. Depois de um longo abraço falamos da revolução dos cravos, dos nossos sonhos para o futuro, da nossa utopia...

Foi a última vez que falamos, embora não tenha sido a última que o vi!

Adriano,

Por ti, por tudo aquilo em que acreditamos e planeamos na nossa juventude, por tudo o que representaste naqueles tempos difíceis, continuo a lutar para que a tua voz nunca se cale e que os teus poemas sejam cantados e vividos por toda a gente.

Recordar-te aqui hoje é manter-te bem vivo e actuante, é empunhar uma bandeira de esperança, é continuar a lutar por este País, para que seja mais livre, mais fraterno, mais justo e mais solidário, tal qual tu o sonhaste.

É Tempo de Adriano voltar a cantar!

Sábado, dia 21 de Abril de 2007, às 21H30, em Avintes, uma homenagem a Adriano Correia de Oliveira promovida pela CDU de Gaia.

Um abraço

José Gomes


----------------------
Canção do Soldado (no cerco do Porto) - Adriano Correia de Oliveira

--------------------------------

13 comentários:

  1. Gostei de ler as tuas memórias:)
    beijos

    ResponderEliminar
  2. Era giro, era...
    Seu malandreco...

    ResponderEliminar
  3. Viva La Libertad!

    ResponderEliminar
  4. Adelante vamos... no nos quedemos por escritos... HAGAMOS ALGO!

    ResponderEliminar
  5. Olá Zeca, bom dia!
    que bom o que aqui li; muito bem meu Amigo, porque sei que não te esqueces e continuarás a dizê-lo aos outros, principalmente aos vindouros, para que eles saibam e nunca esqueçam. É preciso que o futuro conheça e respeite o passado e saiba o que foi, a fim de que ele não volte; e se voltar, esse passado os inspire e saibam ganhar força para a luta.
    Um beijo enorme
    da Maria Mamede

    ResponderEliminar
  6. Gostei muito de ler esta tua bela e saudosa homenagem.
    Há memórias que felizmente nunca nos abandonam, que nos confortam e dão força para continuarmos a acreditar no futuro.
    Parabéns!
    Bj

    ResponderEliminar
  7. Um homem e uma voz a não esquecer!

    Bjs.

    ResponderEliminar
  8. Ze, tenho os olhos em lagrimas... Beijo

    ResponderEliminar
  9. O HACER ALGO! É Dizer que podemos fazer muito mais. Isso queria dizer meu amigo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  10. conheci Adriano na sua voz, vi e ouvi diversas vezes, mas não tive o prazer de dialogar com ele

    bela homenagem, numa mistura das suas memórias que adorei ler.

    consigo ainda ouvir Adriano cantar:

    ....
    Mesmo na noite mais triste
    em tempo de servidão
    há sempre alguém que resiste
    há sempre alguém que diz não.

    um poema de Manuel Alegre

    é realmente tempo de Adriano voltar a cantar!

    e com ele sonho a esperança de este País se tornar cada vez mais livre!


    obrigada por o recordar

    um abraço

    lena

    ResponderEliminar
  11. João Galamba2/5/07 00:10

    Lembro-me de ler no livro "Adriano, presente!" de Manuel Reis uma frase do Adriano: "Espero que o trabalho que está feito sirva para estimular os jovens na procura de soluções que retractem os problemas do seu tempo."
    Que a sua voz esteja sempre presente e nunca nos cansemos de procurar por um outro futuro, que há-de chegar! Um grande abraço.

    ResponderEliminar