terça-feira, 13 de fevereiro de 2007

Até sempre, Castro Reis!

Castro Reis lendo um poema do seu livro “Etéreas Sinfonias de Natal”
(Noites de Poesia em Vermoim – 5 Julho 2003)



Castro Reis (José de Castro Reis) nasceu na freguesia de Miragaia, cidade do Porto, em 28 de Março de 1918.

Foi poeta, escritor, jornalista, ensaísta, galardoado em vários certames literários nacionais e internacionais, entre outros com o Prémio de Poesia “Laurel de Ouro”, o Prémio de Poesia “Coroa de Ouro” e a Medalha de Prata e Diploma Honorífico de Homem de Valor e Mérito este último atribuído pela Academia Francesa de Artes, Ciências e Letras.

Foi membro da Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto, da Associação de Escritores de Gaia, da Academia Internacional de Letras, Ciências e Artes de Nápoles (Itália) e a Academia Francesa de Artes, Ciências e Letras.

Foi director do Grupo de Estudos Brasileiros do Porto onde contribuiu para o relacionamento e intercâmbio da cultura Luso-Brasileira.

Nestes últimos anos dedicou-se, como escritor e animador cultural, à promoção e divulgação da cidade do Porto e ao culto da poesia junto das Escolas e associações recreativas e culturais.

Dentro das suas obras publicadas destaco: “Amor e Cruz” (poemas – 1960); “Cântico Liberto” (poemas – 1978); “O Grito das Fragas (Poemas – 1983); “Esta Cidade que Eu Amo” (Poemas – 1985); “Bodas da Primavera par a Paz” (Poemas – 1989) e “Etéreas Sinfonias de Natal” (Poemas – 1997).

Castro Reis partiu no fim da tarde do dia 9 de Fevereiro, deixando um vazio no coração dos Amantes da Poesia.

A Castro Reis, do seu livro “Etéreas Sinfonias de Natal”, deixo – numa forma de homenagem – o soneto



O Inverno da Vida

É por dentro de mim que peregrino,
Nesta hora de angústia e de amargor!...
Pois já venho sofrendo. De menino,
Maus Invernos, de morte e de rigor!

Deus quer que eu cumpra assim o meu destino
De Poeta e Mendigo do Amor!...
Quem nasceu para os rumos do Divino,
Terá que ser eterno sofredor!

Depois de tanto Inverno e tempestade,
Do que fui, vejo assim tombar a árvore,
Só me restando a compaixão de Deus!

Quando chegr a hora do meu fim,
Não importa se lembrem mais de mim,

- Mas não deixem morrer os versos meus!


Castro Reis




Não deixem morrer os versos de José de Castro Reis!


José Gomes

12 Fev. 07




4 comentários:

  1. Paula e Rui Lima15/2/07 10:57

    Olá!

    Se gostas de cinema vem visitar-nos em

    www.paixoesedesejos.blogspot.com

    todos os dias falamos de um filme diferente.

    Paula e Rui Lima

    ResponderEliminar
  2. Com a morte da andorinha que não se acabe a primavera...
    Que não morra nunca a poesia

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Não sabia do seu falecimento! Ainda há dias falava dele à Alice e a forma como ele dizia poesia...

    A sua poesia viverá para o lembrar...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Olá...
    Meu nome é Renato Reis Baptista e escrevo do Brasil. Meu avô se chamava José de Castro Reis e era de Cominbra. Faleceu aqui no Brasil.
    Será que há algum parentesco entre o poeta e ele?
    Sou poeta aqui no Brasil e deixo aqui meu e-amil para quem quiser entrar em contato: rrb.poeta@yahoo.com.br
    Abraços.

    ResponderEliminar