segunda-feira, 4 de dezembro de 2006

Grito de dor pelo Rio Leça...


O Rio Leça


O Rio Leça nasce no lugar de Redundo, freguesia de S. Salvador do Monte Córdova, em Santo Tirso, a uma altitude de 463 metros.


Lugar de Redundo

Próximo da nascente ficam as "Quedas de Fervença". Um lugar que eu conheci já com os meus 12/13 anos, um acidente natural e que na altura era de uma beleza deslumbrante, bucólica, com uma paisagem e uma mancha rara de florestação.



Quedas de Fervença


O Rio Leça passa pela Maia no seu curso inferior e pelo concelho de Matosinhos e vai desaguar no mar, no Porto Artificial de Leixões, depois de um percurso de 47 km.

Apesar de ser um rio pequeno, marcou todas estas terras, pela fertilidade agrícola que lhes proporcionou. Ao longo das suas margens estende-se um património rural, com predominância para os seus moinhos (construídos a maior parte deles durante os séculos XVIII e XIX), as suas pontes, e as suas noras.

As águas dos ribeiros e das chuvas escorrem para o Leça, levando consigo (ou despejando directamente neste) os resíduos de toda a actividade industrial desde a nascente até à foz, que polui as suas margens e as suas águas.

O Rio Leça desagua no Oceano Atlântico, em Matosinhos.

O seu estuário foi substituído pelo Porto de Leixões tendo-se sacrificado, em nome da civilização e do comércio, os dois braços do rio: o Rio Salgado, do lado de Matosinhos e o Rio Doce, do lado de Leça da Palmeira.


A sua praia fluvial foi um lugar bucólico de outros tempos, cantado por poetas:

“Ó Rio Doce! Túnel de água e arvoredo!”.
Por onde Anto vogava em vagão dum bote...
E, ao Sol do meio dia, os banhos em pelote
Quando íamos nadar, à Ponte de Tavares.“
[1]


Grito de dor...

Que saudades e que raiva sinto deste Rio que já foi Vida e que teve os seus sonhos; que teve peixes variados e gostosos e que apesar dos projectos elaborados, das promessas feitas já não sei bem há quantos anos, continua morto, transformado num esgoto...

Por isso sinto que é meu dever e minha obrigação dar voz ao Rio Leça...

Hoje — porque negro, sujo, triste e sem Vida!

Hoje e sempre — porque pede, assim como milhares de peixes que morreram envenenados nas suas águas, uma nova oportunidade de Vida!

Hoje e sempre — escrever sobre o Rio Leça é dar voz a um Rio de Vida que já deu pão a gerações inteiras!


Até quando?...

Já não há eleições que lhe valha, nem força política que tenha FORÇA suficiente para lhe dar o lugar que já foi seu, meio século atrás.

É preciso, é urgente passar-se do papel e criar as condições necessária para que sejam cumpridas as leis deste país, tornando-o de novo, num verdadeiro Rio de Vida, de margens verdes, de águas límpidas, verdadeira fonte de Saúde e de bem estar, senão para nós, para os nossos filhos!...


Imagens do Rio Leça, por trás da Escola E B 2,3 de Gueifães, Maia, colhidas em finais de Novembro de 2006.

Imagens sem comentários... dirigidas à consciência de quem de direito!










4 Dezembro 2006
José Gomes



[1] “Só” – António Nobre

--------------------
"Povo que lavas no rio"

Canta Dulce Pontes
---------------------



9 comentários:

  1. Amigo,
    Fazem doer a alma de quem ama, estas fotos.
    Infelizmente, as de pedra continuarão impávidas.
    Os anos passam e a indiferença aumenta! É deveras triste!


    Rio

    Fico a olhar-te rio triste
    Perdido e despedaçado
    Sem alma doce que acuda
    Ao rastejar do teu fado

    Minha alma se entristece
    Meu rosto eu já não vejo
    Espelhar nas águas soltas
    Perdidas como um desejo

    Se eu fosse fada do rio
    Levava-te daí comigo
    Pegava em ti com bom jeito

    Num paraíso diferente
    Sem apatia, sem gente
    Moldava-te um novo leito

    (pelos que sentem)

    ResponderEliminar
  2. Olá Zé, bom dia!
    Como também eu lamento ver este rio assim. E a tristeza não é só ver, é também sentir o cheiro, principalmente em dias de calor, quando passo na Ponte de Alvura.
    Que infinita tristeza!!!
    Este rio, que na Ponte da Pedra, (entre as freguesias de S.Mamede de Infesta, Leça do Balio e Gueifães) já teve uma maravilhosa praia fluvial, que infelizmente não conheci, mas de que já vi muitas fotografias e que ainda existia no tempo dos meus pais,
    este que quando a minha Mãe era pequena lá podia nadar e apanhar peixes à mão, sempre que era tempo de calor e ia pastorear o rebenho de casa na margem...
    Quem dera alguém do poder fizesse dele, de novo, o rio de que fala António Nobre!....
    Beijos de parabéns Zé e obrigada por mais esta "denúncia".
    Maria Mamede

    ResponderEliminar
  3. pois é... é uma dor de alma tão grande quando passo a pé pela ponte da pedra e olho para o rio... o cheiro enoja às vezes e o seu estado realmente é uma lástima... mas alguém parece preocupar-se??? olha k o presidente da câmara parece estar contente... talvez o cheiro não o incomode nem a imagem de água estancada... provavelmente nem nunca ouviu falar no leça...

    ResponderEliminar
  4. Estou farto de mandar mails para a maia ambiente porque estão constantemente a fazer descargas de águas "chocas" ou para ser mais chique "residuais" tenho matriculas de tratores entrguei à policia.municipal dizem que têm de os apanhar em flagrante isto é Portugal então tenho vergonha de ser Português o que estão a fazer estes politicos TENHAM UMA ACTITUDE E LEVEM AS LEIS A VECTO E PRORROGUEM OUTRAS MAIS JUSTAS DEFENDAM A VIDA.........assim só conseguimos incomodar esses falsos politicos que se dizem defensores do nosso Mundo

    ResponderEliminar
  5. Anónimo3/3/08 11:18

    Sim...A vida desse rio foi tirada sem duvida nenhuma e não sei s algum dia virá a ser devolvida!!
    Agora só quero fazer um reparo...As "Quedas de Fervença" em Monte Córdova, continuam a ser um ponto de referencia...tanto pela sua beleza natural assim como pela limpissidade e brilhantismo da água...Essas quedas estão situadas em Valinhas no alto de Monte Córdova...E Redundo é de facto a Nascente do Rio Leça...Ao contrário do que muitas pessoas pensam, ou desconhecem...

    ResponderEliminar
  6. É triste ver um rio que leva o nome de minha familia neste estado tão degradante,será que niguém que mora próximo poderia se mobilizar e fazer um manifesto para a despoluição deste rio que tenho certeza que já foi palco de tantas emoções em suas margens,se foçe aqui no Brasil creio que eu já teria feito várias ações para isto!

    ResponderEliminar
  7. Só d pensar q atigamente, quando o rio era saudavel, as mulheres lavavam a roupa e as crianças brincavam alegremente...Mas claro que s voltasse tudo ao normal, as pessoas não iriam voltar a fazer isso,pois a tecnologia actual faz tudopor nós...

    ResponderEliminar
  8. ADRIANO DA SILVA MOREIRA13/2/11 23:47

    conheci esse rio magnifico nos anos l950, era na realidade, a nossa piscina, e também a n zona de pesca entre as freguesias de refojos e reguenga de onde sou natural. Parece que ja é tempo de salvar essa presiosidade.

    ResponderEliminar
  9. Deus criou os rios e os peixes o homem inventa lixo e esgotos. este rio na sua nascente no monte cordoa, e nas quedas da fervença tem vida e continua vivo.

    ResponderEliminar