quarta-feira, 31 de maio de 2006

Para onde caminhas, humanidade?...






A partir de hoje acabei com a "violência" de pedir que visitassem os meus blogues, sempre que os actualizava.
Eles irão aparecendo sempre que o "engenho e a arte" der sinal de vida!... A quem os visitar e/ou deixar qualquer comentário, agradeço e ficarei feliz!

Uma boa semana e... até sempre, meus amigos!





("Nascer do Sol" - foto de Maria de Lourdes Gomes)

Cada vez menos entendo a Humanidade.
Parece que se está a descer à barbárie mais primitiva: são mortes, são saques, são roubos, são incêndios, são actos de vandalismo, são pilhagens, são seres assustados a correr em debandada transidos de medo...
É a destruição um pouco por toda a parte!
Será que valerá a pena continuar a acreditar na Humanidade? Num projecto de vida mais justo, mais fraterno, sem ódios nem vinganças?
Lembrei-me de vos escrever este texto, do poema do António Gedeão e do "I have a dream", dos Abba...
Mas será que ainda valerá a pena sonhar?



TROVAS PARA SEREM VENDIDAS
NA TRAVESSA DE S. DOMINGOS


O repórter fotográfico
foi ver a fuzilaria.
Ganhou o prémio do ano
da melhor fotografia.

Notícias não confirmadas
informam, de origens várias,
que as tropas revolucionárias
recentemente cercadas
acabam de ser esmagadas
com perdas extraordinárias.

Na redacção do jornal
corre tudo em sobressalto.
A hora é sensacional.
Toda a gente dormiu mal,
gesticula e fala alto.


Passageiros recém-chegados
do lugar da revolução
viram dúzias de soldados
prontos a ser fuzilados
e muitos já arrumados
e amontoados no chão.


Agora que se anuncia
já estar regulado o tráfico,
inda mal rompera o dia
foi ver a fuzilaria
o repórter fotográfico.


Vá lá, vá lá, felizmente,
felizmente que ao chegar
inda havia muita gente
que estava por fuzilar.


Numa ridente campina
de papoilas salpicada,
um sol de lâmina fina
cortava a densa neblina
da metralha disparada.


Berrando como vitelos
a malta dos condenados
avançava aos atropelos
e arrepanhava os cabelos
com gestos alucinados.


O repórter já suava,
não tinha mãos a medir;
ora a máquina carregava,
apontava e disparava,
ora no chão se agachava,
pulava e gesticulava
com afanosa presteza.


Há empregos, com franqueza,
nem haviam de existir.
A um tipo de mãos nojentas
que aos berros sobressaía
gritando frases violentas,
focou-o mesmo nas ventas
no momento em que caía.


Mas o melhor não foi isso.
O melhor foi uma velhota
que pôs tudo em rebuliço.
Rápida como um rastilho,
em convulsivos soluços,
foi estatelar-se de bruços
sobre o corpo do seu filho.


«Meu menino, meu menino!
Valha-me a Virgem Maria!
Que vai ser o meu destino
sem a tua companhia?!

Mataram-me o meu menino!
Filho do meu coração!
Que vai ser o meu destino
sem a tua protecção?!»


Nunca uma cena de horror,
Uma tragédia tão viva,
tão grande e expressiva dor,
alguém teve ao seu dispor
defronte duma objectiva.
Era uma face crispada,
um olhar perdido e louco,
uma boca de xarroco
em lágrimas ensopada.


Foi uma sorte, realmente.
Um desses casos notáveis,
bestiais e formidáveis
que acontecem raramente.


Aquelas faces crispadas
correram pelo mundo inteiro
nas revistas ilustradas,
em tiragens esgotadas
que deram muito dinheiro.


Com aquele sentido humano
da justiça e da harmonia,
o repórter todo ufano,
ganhou o prémio do ano
da melhor fotografia.

António Gedeão


------------------------
"I have a dream" - ABBA

---------------------------------
---------------------------------

8 comentários:

  1. sonhar NUNCA é demais nem...remar contra As marés.
    Gostei mt das trovas. Bjs e bom resto de semana

    ResponderEliminar
  2. caro josé,

    esta reflexão é a que mais me assusta

    que futuro para os nossos filhos?

    que pesada herança!!!

    um beijinho

    ResponderEliminar
  3. "Mas será que ainda valerá a pena sonhar?"
    Olá Zé
    Tudo vale a pena se a alma não é pequena
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. A mim... já me chega tentar perceber para onde caminha Portugal (?)...

    ResponderEliminar
  5. Quero agradecer, de uma forma especial, os comentários da Imatta (que já não me visitava há sáculos...) e do "klatuu o embuçado" (este especialmente deu-me a curiosidade para visitar o seu blog... muito interessante! Descobri poemas de autores consagrados que não conhecia... neste mundo da Net estamos sempre a aprender!).
    À Tmara e à Alice uma boa tarde. Lá nos encontramos ou nos blogs ou pelas Noites de Poesia...
    Aos visitantes anónimos que visitam "Chuviscos" tenho que dar-lhes o meu agradecimento, pois também eles estão a colaborar para não pôr ponto final neste blog.
    Uma boa semana para todos.

    ResponderEliminar
  6. I have a dream... todos nós temos um sonho albergado no coração...e a Amizade e Fraternidade entre Povos e entre toda a Humanidade é um sonho, que quem sabe... um dia, se realizará...

    Apesar da dificuldade de por vezes comentar o blogger, fazes parte do meu "endereço" de visitas...

    Um abraço e boa semana ;)

    ResponderEliminar
  7. ..."violência"?!
    Quando a Amizade é recíproca, não gera violências...
    Um abraço, a "marota" já disse o que eu tinha para dizer...
    ;)

    ResponderEliminar
  8. Anónimo1/3/07 20:13

    This is very interesting site... »

    ResponderEliminar