domingo, 19 de fevereiro de 2006

A António Gedeão...



"Minha aldeia é todo o mundo.
Todo o mundo me pertence.
Aqui me encontro e confundo
com gente de todo o mundo
que a todo o mundo pertence.
"

(In "Minha Aldeia" - António Gedeão)

Faz hoje 9 anos, 19 de Fevereiro, que António Gedeão (prof. Rómulo de Carvalho) nos deixou fisicamente.

Foi um dos mais brilhantes poeta / professor do século XX, que nos deixou um brilhante legado no campo da poesia (António Gedeão) e no campo científico (Rómulo Carvalho).

Foi uma poesia que marcou uma geração a braços com uma ditadura e uma guerra cujo fim não se advinhava.

"Pedra Filosofal", poema seu, musicado e interpretado por Manuel Freire, transformou-se num hino de esperança e mobilização que viria a abrir a porta ao Sonho e à Liberdade.

Foi um homem recatado que dominava os segredos das ciências, nomeadamente no campo das Físico-Químicas. Dedicou-se ao ensino, à investigação e à publicação de numerosos livros de divulgação científica.

"Ser Professor - dizia - tem de ser uma paixão. Pode ser fria, mas tem de ser uma paixão e uma dedicação".

Em sua homenagem escolhi:

Lição sobre a água

Este líquido é água.
Quando pura
é inodora, insípida e incolor.
Reduzida a vapor,
sob tensão e alta temperatura,
move os êmbolos das máquinas que, por isso,
se denominammáquinas de vapor.

É um bom dissolvente.
Embora com excepções mas de um modo geral,
dissolve tudi bem, ácidos, bases e sais.
Congela a zero graus centesimais
e ferve a 100, quando à pressão normal.

Foi neste líquido que numa noite de Verão,
sob um luar gomoso e branco de camélia,
apareceu a boiar o cadáver de Ofélia
com um nenúfar na mão.

"In "Poema Escolhidos" - António Gedeão)

-------------------
"Pedra Filosofal"
Poema---- António Gedeão
Canta----- Manuel Freire
---------------------------------

11 comentários:

  1. Bonita homenagem! O poema e a música são imortais:) Mas também só um cientista poderia fazer um poema sobre a água;) beijos

    ResponderEliminar
  2. Olá Zé. Uma bela homenagem a um valoroso homem e inteiramente merecida. Escolheste um poema que o define e felicito-te. Um bjo e um excelente dia.

    ResponderEliminar
  3. "...Eles não sabem que o sonho..."

    Se soubessem, todos teríamos direito a eles!
    Muito bem Zé!

    Um beijo enoooooooooooooorme da
    Maria Mamede

    ResponderEliminar
  4. É bom ouvir e relembrar, é muito justa a homenagem.
    Beijos, Zé (e deixa-te lá de queixas da velhice... :))

    ResponderEliminar
  5. Lindo demais! (como sempre aliás...)
    Não posso ir embora para Timor-Leste sem lhe dar um abraço :) vou daqui a 3 semanas!!!!!
    AAS

    ResponderEliminar
  6. Boa viagem.
    Que tudo corra bem, não só para a "sonhadora" mas para todos aqueles que farão parte, a partir dessa altura, do seu mundo.
    Timor precisa de gente com garra.
    Sei que vais ser muito útil.
    Um grande, grande abraço.

    ResponderEliminar
  7. Companheiro,

    É muito gratificante sabermos, que tu e mais um punhado de Homens e Mulheres, não se renderam, nem baixaram os braços.

    António Gedeão estará sempre entre aqueles/as que não abandonaram a Luta.

    Um grande Abraço.

    ResponderEliminar
  8. Obrigado, Fernando.
    Mas tu, também, continuas ainda na primeira linha!

    ResponderEliminar
  9. "minha aldeia é todo o mundo"
    Pena é que todo o mundo não possa, efectivamente, ser a nossa aldeia...

    ResponderEliminar
  10. Um dos meus Poetas preferidos!
    Grata pela partilha e boa escolha do Poema...

    Um abraço ;)

    ResponderEliminar
  11. Mui belo. Deixo o meu abraço fraterno.

    ResponderEliminar