sábado, 21 de janeiro de 2006

ORION - 19 Janeiro 1964

PARA QUEM NÃO SABE NEM SE LEMBROU DE "ESCAVAR" ESSE DADO DO TEXTO... UM DOS "CIENTISTAS LOUCOS" DO FOGUETÃO DE DOIS ANDARES, É O MEU PAI!!! O ZÉ GOMES!!! SIM, ESTE MESMO DO BLOGUE :o) O MESMO QUE ME VAI MATAR ASSIM QUE VIR ISTO, MAS EU NÃO ME IMPORTO PORQUE NÃO ACHO CORRECTO OCULTAR PARTE DA VERDADE... BIBA ESTE HOMEM CARAGÚ!!!
- zia

ORION
19 Janeiro 1964
O início de um sonho...


Esse dia 19 de Janeiro de 1964 foi um domingo soalheiro de inverno, com um céu muito azul e sem nuvens, vento quase nulo, um mar muito calmo e que verdejava lá em baixo, arrancando reflexos dourados às águas que vinham beijar as areias, nessa altura ainda limpas, deixando a flutuar uma suave e irregular franja de espuma...
— Faltam 60 minutos! – disse eu, tirando o relógio do pulso e colocando-o no peitoril da janela, ao lado do caderno que nos servia de “check in” e dando baixa neste.
Virei-me para o Daniel e disse-lhe:
— Verifica o ângulo de inclinação da rampa e a temperatura exterior do Orion.
— OK! Vou também verificar as ligações eléctricas e o sistema de ignição... com tanta gente à volta do foguete, não me espanta nada que lhe tenham dado um encontrão e que se tenha desligado qualquer coisa – sugeriu Jaime, pegando nos materiais necessários.
Enquanto estes se afastavam, com as batas brancas a flutuar ao sabor da leve brisa, subi a pequena ravina na base da qual se encontravam os restos do que fora um abrigo – que chamávamos casamata! - e que nos servia de base de lançamento.
Espraiei os olhos à minha volta: estava rodeado de um grande número de curiosos que procuravam o melhor local para assistirem ao lançamento do Orion. Lá no fundo, para os lados da Casa de Chá e do Farol da Boa Nova, uma multidão de pessoas apressadas aproximava-se do local do lançamento, desafiando os esforços dos nossos jovens “seguranças” que tentavam que essa “mole humana” se dirigisse para o perímetro de segurança que fixáramos previamente.
Olhei o corpo majestoso do foguetão, bem apontado para o céu e que cintilava beijado pelos raios de sol.
O Eduardo, um dos responsáveis pela segurança do Projecto, juntamente com outros jovens amigos, empurravam a custo o batalhão de fotógrafos, operadores de cinema e de TV para uma duna situada a cerca de 100 metros do local de lançamento. Mas mal estes viravam as costas, os jornalistas regressavam ao ponto inicial, ávidos dos melhores ângulos para as suas fotografias...
Desci a ravina e regressei à casamata.
Dei uma vista de olhos no “check in” à minha frente, piquei as tarefas já executadas e disse maquinalmente:
— 30 minutos para a Hora Zero!
O Jaime e o Daniel que acabavam de chegar olharam o relógio que, inexoravelmente, se aproximava das 13 horas.
O lançamento do Orion esteve inicialmente marcado para as 12 horas mas, devido ao grande número de visitantes, tivemos de adiá-lo uma hora.
— Hora zero menos vinte minutos!
O Gaspar acabava de entrar na casamata, furioso e a barafustar:
— Não entendo estes jornalistas! Voltaram a romper o cordão de segurança e por mais que faça não me obedecem! Já não sei mais que fazer!!
Olhei os jornalistas que, pouco a pouco, se aproximavam (e logo se instalavam!) cada vez mais da zona perigosa. Olhei o relógio e perdi a calma:
— Se esses gajos não recuam para as dunas, desta vez aborto mesmo o lançamento! Gaspar leva contigo o Eduardo e todo o pessoal disponível e façam recuar os jornalistas para as zonas de segurança. E digam-lhes mesmo ou eles recuam para as dunas ou abortamos o lançamento! Se há um azar e esta coisa explode, ficam que nem picado e quem se lixa depois somos nós!
Continuei com o “check in”, enquanto observava as negociações com os jornalistas. O Gaspar esbracejava e passeava de um lado para o outro. Não consegui ouvir o que dizia. De repente correu na nossa direcção e disse, com um amplo sorriso espalhado no rosto:
— Pronto, pronto, não se preocupem! Vão pôr toda a maquinaria fora das dunas e apontadas para o Orion e vão-se abrigar dentro do perímetro de segurança. Se houver qualquer “chatice“ assumem toda e qualquer responsabilidade. Vão-se as máquinas e ficam eles e ficamos nós sem as fotos do lançamento!
— Gostava de ver tudo isso passado a escrito! – resmungou o Jaime, encolhendo os ombros.
— Hora Zero menos dez minutos! — disse eu, olhando os jornalistas que se instalavam na zona negociada.
Um razoável perímetro de segurança estabeleceu-se, finalmente, junto do Orion.
De repente, um silêncio sepulcral invadiu toda a região. Parecia que toda aquela multidão, ululante até aí, tivesse deixado de respirar, ficando suspensa no que iria suceder no minuto seguinte.
Só o suave murmurar do mar, alguns metros lá em baixo, se associava à ligeira brisa que soprava...
— Hora zero menos...
— Porra, porra, pára-me essa contagem, Zé ! – gritou o Gaspar completamente fora de si! — Pára, pára tudo!!! A merda daquela avioneta está a aproximar-se. Rápido, os gajos da rádio, que lancem um aviso…
Algum dos repórteres ao meu lado – não me lembro bem quem – que faziam a cobertura em directo do lançamento (ou alguém no aeroporto que os estava a ouvir), comunicaram com a avioneta que acabou por dar meia volta, deixando livre o nosso espaço aéreo.
Depois desta ter saído do nosso campo visual e de se ter feito os acertos nas rotinas de segurança, recomecei a contagem decrescente, atrasada agora 15 minutos:
— Hora Zero menos quinze minutos!
Encostei-me ao beiral da janela (ao que restava dela!) e respirei fundo. Olhei à minha volta e vi o Jaime, bem ao meu lado, a verificar com uma das mãos as ligações do cabo de ignição e a roer as unhas da outra, com um ar muito compenetrado.
Daniel – apesar de todas as normas de segurança e dos avisos em contrário - acendeu mais um cigarro que juntou ao outro que ainda mantinha aceso nos lábios, ajustou a braçadeira na sua bata branca e fez-me um sinal com a mão dizendo, ao meu olhar reprovador, que tudo estava bem.
Olhei para cima, para o que fora o telhado da casamata e vi dezenas de caras que nos observavam, as câmaras de TV que nos seguiam, os “flashes” que aumentavam ainda mais a minha dor de cabeça...
De repente apercebi-me que até eu estava a roer as unhas! Olhei, automaticamente, para o Jaime que me sussurrou entre um sorriso breve:
— Também tu, meu filho bruto!!!
Encolhi os ombros e limitei-me a dizer:
— Hora Zero menos dois minutos!
Olhei o céu que se mantinha limpo, as várias equipas nos seus postos, os jornalistas atrás das dunas. Cocei a cabeça...
— Hora Zero menos um minuto!... – Foi então que senti como se me tivessem dado um soco no estômago e senti um calafrio a subir-me pela espinha. Estremeci e encostei-me, ainda mais, ao parapeito da janela...
— ... 30 segundos!...
— Tudo OK! – disse Jaime, enquanto pousava o dedo no interruptor da ignição.
Olhei para o meu Pai que espreitava lá de cima. Acenou-me; sorri-lhe e pensei que há dois dias me criticava e que não acreditava no nosso Projecto!
Continuei a contagem:
— ... 20 segundos!...
— Ignição preparada! – disse Jaime com voz calma e bem segura.
Daniel aproximou-se ainda mais da janela e assestou os binóculos no Orion.
Limitei-me a prosseguir a contagem:
— ... 10!...
O suor, em camarinhas, começou a escorrer-me pela cara e a camisa, já completamente encharcada, estava colada às costas. As minhas pernas pareciam feitas de manteiga…! Sentia-me a cair... Lá, muito ao longe, ouvia a minha voz a bater dentro da minha cabeça...
— ... 7... 6... 5...
— É agora ou nunca! – sussurrou-me Jaime.
— Faz figas, Zé! – disse-me Daniel, como que numa prece.
Os meus olhos, muito abertos, estavam fixos no foguetão:
— ... 4... 3... 2... 1 ... IGNIÇÃO!!!

Senti, mais do que vi, Jaime a apertar o botão! O berro com que concluí a contagem foi abafado pelo roncar dos gases expelidos pela tubeira do Orion, enquanto este se erguia majestosamente nos céus da Boa Nova, largando um elegante novelo de fumo branco que o acompanhou na subida, seguido por uma estrondosa salva de palmas da multidão ululante que assistia ao lançamento do primeiro foguetão português.


Mal gritei “IGNIÇÃO” saí da casamata a correr em direcção à rampa de lançamento ainda envolta em fumo. Lembro-me de ver o corpo cilíndrico do foguetão subir no céu. Não me lembro da separação do 2º andar.
Corri, depois, em direcção ao mar, com toda aquela multidão atrás de mim.
(…)


Em 19 de Janeiro de 1964 três jovens “cientistas” fizeram subir nos céus da Praia da Boa Nova, em Matosinhos, o primeiro foguetão português. Este “conto” retirado dos apontamentos feitos na altura, tenta relatar o acontecimento que atraiu milhares e milhares de pessoas para assistirem a uma experiência científica e como isso entusiasmou os meios de informação deste país.
No local do lançamento começou, mais tarde, a ser construída uma Refinaria de Petróleo... Ainda hoje existe!

José Gomes

-----------------------------
"Unchained Melody"
Pan Pipe Moods - Vol. 2
-----------------------------


15 comentários:

  1. Que fantástica narrativa Amigo Zé.

    Aproveito para te agradecer a tua preocupação comigo. O meu estado de saúde normalizou. Quanta à disposição, bem, um dia destes, telefono-te.

    Um Abraço,

    ResponderEliminar
  2. Olá, cientista "maluco"!?...
    Quando isso aconteceu eu ainda estava no outro lado do mundo :oP e... nem sonhava conhecer-te. Será que foi o teu foguetão que me trouxe para este lado do mundo?
    "Recordar é Viver".
    Beijos,

    ResponderEliminar
  3. Espectacular! Com que então cientista, hein.lol. Muito bem o relato, sempre com todas as descrições:) beijos

    ResponderEliminar
  4. penso que agora é que o teu blog encontra o seu fio orientador: o da ciência. aquilo em que dás cartas.
    e deste modo aprende-se muito mais.
    abraço da leonoreta

    ResponderEliminar
  5. A Milú e a Zia são umas exageradas (especialmente esta última).
    A minha intenção com este post foi lembrar uma data que me marcou de certa maneira, uma data em que os amigos se juntavam e faziam planos.
    A esta distância parece-me que estive num mundo diferente...
    Obrigado e um beijo às duas.

    ResponderEliminar
  6. Olá Zé! Palmas, irmão!!!!!!
    Realmente recordar é viver...
    Pena é terem-vos cortado os "vôos"!

    Mas enfim, que se poderia fazer mais sem ajudas e com muitas desejudas?!

    É bom recordar; pelo menos isso.

    Beijos de parabéns à Milú e à Sónia, pelo que deixaram dito e a ti Zeca-cientirta, um abraço enooooooooooorme da
    Maria Mamede

    ResponderEliminar
  7. Eu já sabia desta tua "vertente" mas adorei ler. :) ehehee... estou mesmo a ver-te como cientista "aluado" :))
    Beijos

    ResponderEliminar
  8. ola ze. bem. que foi uma aventura foi. a tarde fui ao hospital pois o joelho nao parava de inchar. mas radigrafaram e deram-me um spray fantastico e todos os receios e dores passaram.
    lamento o kique. é triste. mas nao ha nada a fazer, ze.

    abraço da leonoreta

    ResponderEliminar
  9. Não devia estar aqui a ler-te, porque não posso esforçar ainda a vista, mas não resisti a esta magnifica narração!

    Desculpa a ausência, mas são por motivos de força maior, como já deves saber. Estou de volta aos poucos, mas não posso abusar!
    Um abraço a todos

    (Nota: li no blog da Leonor que o Kiko estava internado, que se passa? Ele está melhor? Espero que sim, faz-lhe um mimo por mim...)

    Bom domingo ;)

    ResponderEliminar
  10. Isso é mesmo a sério ou é ficção?

    ResponderEliminar
  11. ah e a Leonor que aparece aí a comentar pelos vistos também voa, embora mais baixinho!

    ResponderEliminar
  12. OI! Um Desafio no meu Blog!:) PARTICIPA! **

    ResponderEliminar
  13. Bom dia,

    Somos um grupo de música tradicional "Trovas à Tôa" (com acento circunflexo) e ficámos a conhecer as vossas aventuras através da música "O Foguetão" de António Mafra.

    Com o intuito de preservar este naco da História de Portugal, criámos uma cópia deste artigo (devidamente referenciada ao seu autor), no nosso servidor. Esperamos que não se importe.

    Pode verificar em: http://217.129.198.173/arqs3/orion__19_janeiro_1964.htm


    O nosso obrigado por este belo episódio.

    ass. avô mokka

    ResponderEliminar
  14. Caro amigo Avô Mokka,
    Quero agradecer a divulgação deste artigo. Realmente, é com alegria que ao fim destes anos todos as nossas perquisas neste campo sejam ainda recordadas.
    Um abraço,
    José Gomes

    ResponderEliminar