quarta-feira, 16 de novembro de 2005

Sophia Mello Breyner - 6/11/1919 - 2/07/2004

Pudesse eu...

Pudesse eu não ter laços nem limites
Ó vida de mil faces transbordantes
Para poder responder aos teus convites
Suspensos na surpresa dos instantes!

Sophia de Mello Breyner



Em 6 de Novembro de 1919 nasceu aquela que seria “o grande nome feminino da poesia portuguesa contemporânea”: Sophia de Mello Breyner Andresen.

Em Julho de 2004, Fernando Peixoto, fez o poema que transcrevo, em homenagem “(...) à grande SOPHIA.”

Nota:
Os primeiros versos de cada estrofe (que são da Sophia) fazem parte do soneto “Porque”.


HOMENAGEM A
SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN

«Porque os outros se mascaram mas tu não»
Viveste sem máscaras no rosto
Vertical no poema e na canção
que escreveste na praia ao sol de Agosto

«Porque os outros são os túmulos caiados»
Tu encheste de cor a cor do dia
E o reflexo dos peixes prateados
Aos teus olhos o brilho devolvia

«Porque os outros se compram e se vendem»
Tu foste exactamente o seu inverso
E por isso só os poetas compreendem
Que nos teus poemas habite o Universo

«Porque os outros vão à sombra dos abrigos»
Tu escolheste o vento e a maresia
Alheia aos medos indiferente aos perigos
De olhos postos no horizonte da Poesia


Fernando Peixoto
Julho de 2004


**************************
Quero agradecer ao Fernando Peixoto... mesmo sem esperar a tua resposta, fiz a postagem do teu poema.
O tempo urgia e mesmo assim já estava atrasado no tempo de lembrar a Sophia de Mello Breyner.
Mas se fiz mal, desculpa!...
Já tenho o baraço ao pescoço, tal como o aio Egas Moniz...
Só não levo a família... porque ela não está para aturar as minhas maluqueiras!

-----------------
Porque
Soneto de Sophia de Mello Breyner Andresen
Músicado por Francisco Fernandes
Canta ----- Francisco Fanhais
Álbum “Dedicatória” – 1998
3,08 ‘
------------------

12 comentários:

  1. uma mui bela e viva homenagem a Sophia, tal como ela merecia/merece. Bjs e;)

    ResponderEliminar
  2. Uma homenagem merecida! Apreciei, já que gosto imenso desta Poetisa.

    Um abraço carinhoso para todos ;)

    ResponderEliminar
  3. Maria Mamede16/11/05 17:04

    Olá Zeca!
    Muito bem, muitooooooooolindooooo!!!!
    Do Fernando Peixoto não se esperava nada menos.
    Muito bom, como sempre.
    Para ti Zeca, para o Fernando Peixoto, Parabéns e beijos da Amiga

    Maria Mamede

    ResponderEliminar
  4. Muito bonito o poema à poetisa e bem lembrado por ti. Os seus poemas ficarão para sempre. Beijos

    ResponderEliminar
  5. Sylvia Cohin16/11/05 20:20

    Quem sabe, sabe!
    Sophia e Fernando nem precisam de outros elogios. Belo post, Zé, um abraço, Sylvia

    ResponderEliminar
  6. ola ze.
    nao e costume fazeres dois posts tao em cima do outro. assim nem me das tempo a responder, rssssssss

    estou a brincar.

    tanto um como outro estao muito bem.

    1991... meu deus, parece que ainda foi ontem.

    abraço da leonoreta

    ResponderEliminar
  7. Pela Sophia, pelo Fanhais, pela Poesia Portuguesa, obrigado num abraço poético, Zé.
    Que Apolo te guarde!
    Fernando Peixoto

    ResponderEliminar
  8. Como sempre, lindo demais! Obrigado. Pode mandar-me a música por email? nunca tinha ouvido e adorei.
    um abraço desde oeiras,
    AAS

    ResponderEliminar
  9. Que bela homenagem à grande Sophia de Mello Breyner.
    E que musica fantástica para acompanhar.
    Não podia estar melhor!
    Apetece ficar aqui, presa neste som que me vai fazer voar mais leve!
    A minha enorme admiração para ti.
    Um forte abraço.

    ResponderEliminar
  10. bela homenagem, bela lembrança e bela música (de um dos meus poemas preferidos)

    ResponderEliminar
  11. Para a Sonhadora...
    URGENTE

    Agradecia o teu email para te enviar o que pediste.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  12. por favor ze. o inverno no norte nao tem nada de lindo. eu estou a morrer de frio.o nevoeiro entra pelos ossos dentro. mata-me lentamente.

    abraço da leonoreta

    ResponderEliminar