segunda-feira, 10 de outubro de 2005

Ao jeito de desculpa...

Em busca do arco-íris... Foto José Gomes


Hoje é mais que tempo de mudar este post que jaz aqui há tempo demais!

Sem inspiração... (as minhas musas estão a pouco e pouco abandonando-me!).

Sem vontade... cada vez me dá mais na gana de deixar esta coisa!

Sem paciência... olhar para esta máquina horrorosa dá-me vontade de parti-la!

Desesperado... olhar lá para fora, ver o céu toldado, carregado, pesado e... chover: nada mais que pingas!

Ainda tive esperanças da visita do furacão, mas com o resultado das eleições, desfez-se no mar, cheio de vergonha!!!

Terminei de escrever a minha aventura! Mas ao ver que tinha escrito 7 páginas em A4!!!, sem imagens, deu-me cá uma coisa...!
Não sei o que devo fazer!!! Que a chuva me ilumine o caminho...

Para alguém que perdi nesta Net sem princípio nem fim lembrei-me de Richard Bach e do livro "A Ponte para a Eternidade":

"Se nos apegarmos demasiado às coisas e às pessoas, quando as perdemos, não perdemos uma parte de nós? Melhor será agarrarmo-nos a "pensamentos para sempre" em vez de nos entregarmos àquilo que está aqui e agora e que, um instante depois, pode desaparecer."


----------------------
"Canto de Amor e Trabalho"
Banda do Casaco
Álbum: Coisas do arco da velha
Faixa 06
5:51 - vale a pena ouvir do princípio ao fim!
----------------------------------------------------

23 comentários:

  1. Hey, you have a great blog here. I know this has nothing to do with your site but I have a blog which you can see by going to www.adminsupervisor.blogspot.com....recently I've been asking for ideas for stuff to write about. Take a look and see if there is anything I should do to make it better. Any suggestions would be great.

    I also have a work at home site. Its all about, need I say it, working from home. I think people should have the choice to build their own income instead of somebody else’s. Freedom of well being and all of that...anyway take a look see what you think.

    Keep up the good work, I'll be back to visit. Adrian

    ResponderEliminar
  2. Olá, Zé! Não me pregues mais sustos!! Isto por aqui tem andado bem avariado ultimamemte! :/ A falta de imaginação também dá por aqui... Parece que os pensamentos estão mesmo "embotidos"!!! Quanto às impressões da viagem... porque não vais falando a pouco e pouco?? Assim terias "posts" para uma série de tempo..LOL Abraço Amigo para ti e todos aí!

    ResponderEliminar
  3. Tens razão. Quando perdemos quem gostamos, dói demais. beijos

    ResponderEliminar
  4. OLá Zé, está muito bonito. Que bom lembrares-te da Banda do Casaco.
    Da melodia lembrava-me, deles, já
    não sabia quem eram.
    Parabéns Zé
    Continuas em alta!

    Um beijo da
    Mamede

    ResponderEliminar
  5. Não somos máquinas de inspiração permanente, não é? Então, está muito interessante este texto! Vá, nós esperamos...beijos

    ResponderEliminar
  6. Às vezes venho aqui espreitar. Gostei do Setembro. Achei lindo, pronto! Como achei lindo alguém citar Richard Bach e a sua (nossa, de todos) ponte para a eternidade.
    A Banda do Casaco. Responde-me, se souberes: este não foi o único álbum deles? É que só me lembro de coisas do arco da velha...
    Quanto a sem inspiração, sem vontade, sem paciência e desperado... 'Como tudo aquilo que não se vê, também o teu dom se torna mais poderoso à medida que o usas', o mesmo Richard Bach, "Não há longe nem distância".

    ResponderEliminar
  7. Oh anônimo, isso não vale!
    Tens coisas demais que nos identifica... "Apesar do seu passado solitário, Fernão Capelo Gaivota nascera para ser instrutor e a sua maneira de mostrar aos outros o amor era partilhar parte da verdade que descobrira" F. C. Gaivota, do mesmo R. Bach...
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  8. Visito este blog com assiduidade!
    Comecei a lê-lo este verão. Nem que seja pela música ou para reler os textos!(Hoje, permita-me um humilde comentário.)
    As músicas são belíssimas, os textos muito interessantes!
    Os temas comoventes!
    Victor Jara, Neruda, Timor, S.Allender e o arco-íris!
    E porque não, colocar as sete folhas? Uma ou duas de cada vez! Haverá algo mais reconfortante que a leitura?!
    Inspiração e sensibilidade não lhe faltam!
    Desespero! Por vezes o mundo, a vida é difícil mas, mesmo com chuva, haverá um raio de sol que brilhará! E quantos de nós, por vezes desesperados ao lermos estas “páginas” conseguimos ficar mais calmos/as e felizes!
    Parabéns pelo blog, ficamos à espera!
    Um abraço solidário,
    GR

    ResponderEliminar
  9. Ai, ai, ai! Começamos? :)) Faz o teu post de viagem em vários e intercala com outras coisas. É só uma sugestão. E eu não me esqueci do que me pediste, ando a ver se consigo um bocadinho de tempo... :)
    Beijos e juízo!!!

    ResponderEliminar
  10. Fiz hoje a revisão ao texto, Lique, e já vai em 12 folhas A4 sem fotografias!
    É de loucos!
    Um abraço, madrinha.

    ResponderEliminar
  11. Ó vizinho, não faça uma coisa dessas! Não parta a maquineta nem se exalte! A cantiguinha é linda...
    Ó vizinho... tenha calma... não desanime!
    Olhe, venha até cá para tomarmos um cafézinho...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  12. Bem, essa memória é prodigiosa! Nos anos 70 eu ainda era uma criança... E se me preguntares 'onde estavas no 25 de Abril de 74?', só posso responder 'a brincar, quiça com uma boneca (não Barbie)'.
    Mas fui muiiiiito influenciada pelo meu irmão, 7 anos mais velho que eu. Em minha casa ouvia-se muita música. Revolucionária, claro! E muito alto para entrar bem no ouvido. E, ainda hoje oiço muitas vezes. É daí que me vem este gostinho pela Brigada, pela Banda do Casaco, pelos Trovante, Adriano, Zeca... Enfim esses todos... ao lado dos Xutos e dos Rádio Macau e dos Pink Floyd e dos Deep Purple e outros (muitos e muito) roqueiros. Afinal eu era uma criança/adolescente.
    Também apanhei algumas desilusões muicais... Como essa da Cândida Branca Flor e até da Né Ladeiras. Mas foram esquecidas (as desilusões) com outras ilusões que foram aparecendo.
    E a Banda do Casaco foi marcante para a boa música portuguesa dos teus tempos e dos tempos de todos. Quem nunca ouviu, só perde...

    Continuamos gostando do tal. Do Richard Bach! 'Não importa o que um homem diz ou como diz; importa o que faz e como o faz'. (Nada ao acaso). E eu gostei da tua resposta e da forma como o fizeste.

    Um abraço para ti também

    PS. Sou novata nesta coisa dos blogs e escrever nos blogs e não tenho blog. Tenho que continuar 'anonymous'.

    ResponderEliminar
  13. Click Here Now Mortgage rates as low as 3.95%
    $150,000 mortgage for $494/mo. Other loan amounts available. Up to 4 lenders in 24 hours.
    Save money Click Here Now

    ResponderEliminar
  14. Para anonimo(a)?
    Obrigado pela resposta.
    Quebras o "anónimo" se escreveres no final do comentário, por exemplo, o teu nome.
    É mais agradável para quem o lê.
    E já agora dá um salto ao meu outro cantinho, que está quase a fazer um ano:
    http://movimentum.blogs.sapo.pt/
    E diz qualquer coisa.
    Um abraço,
    ------------
    Oh vizinha,
    Nesta barafunda do arruma e desarruma coisas, actualiza e não actualiza blogs, e com o cúmulo de uma exposição de fotografia que organizamos e que está a decprerr de 1 a 13 de Outubro, mal tenho tido tempo para me coçar.
    Dá-me mais dois dias e depois falamos.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  15. estou a habituar-me a nvos ritmos e a novos climas como este aqui do minho inverno de manha e verao a tarde.
    ainda bem que o furaçao nao veio. como dominaria o meu carro na auto estrada para o trabalho? tu lembras-te de cada uma, rsssssssss

    era certinha no blogar mas agora fiquei como tu, nao leves a mal, so de tempos a tempos.

    abraço da leonoreta

    ResponderEliminar
  16. Chuviscos em dia de chuva...
    Gostei e vos estar "De Volta" certamente.
    Parabéns, Ricky

    ResponderEliminar
  17. olha o ricky por aqui...
    gostei de ver.

    ResponderEliminar
  18. Ola
    Zé peguei nas tuas palavras.
    "Se nos apegarmos demasiado às coisas e às pessoas, quando as perdemos, não perdemos uma parte de nós? Melhor será agarrarmo-nos a "pensamentos para sempre".
    So te posso dizer por murrer uma adorinha não se acaba a primavera"
    Fica
    Beijos grandes tb para amilu e filhota
    Helena Matta

    ResponderEliminar
  19. :-) sentadinha a ouvir musica e à espera da reportagem se não tivesse de ir JÁ tratar do almoço!!

    ResponderEliminar
  20. "Somos a ponte para a eternidade, formando um arco sobre o mar, procurando aventuras para nosso regorijo, vivendo mistérios, optando por calamidades, triunfos, desafios, apostas impossíveis, pondo-nos à prova uma e outra vez, aprendendo a amar."
    (Palavras de Richard Bach in A Ponte para a Eternidade)

    Por isso continua este mistério que é, darmos e recebermos o conhecimento das nossas experiências e do nosso coração.

    Um abraço terno aí em casa, para todos ;)

    ResponderEliminar
  21. Segui o teu conselho e fui a http://movimentum.blogs.sapo.pt/. Não consegui enviar o comentário... Aqui fica o copy/past.


    Por momentos pareceu-me conhecer o Zé Machado...
    Hoje não sou capaz de ver mais nada por aqui.
    Até sempre e a luta continua... sempre!

    Maria

    ResponderEliminar
  22. «Que a chuva me ilumine o caminho...»

    A chuva não ilumina!
    Encharca, ensopa, molha, inunda, alaga, banha, rega, baptiza-nos com a benção da sua aparição que nós tanto necessitamos!

    iluminar é difundir luz sobre algo, tornar luminoso, alumiar, ornar com iluminuras.... ora a chuva não faz nada disso!

    ;)

    ResponderEliminar