domingo, 28 de agosto de 2005

Portugal está a arder...

Já não nos chegava a seca que nos aflige à quase um ano, estamos agora com o flagelo do fogo que devora a Floresta, casas, vidas humanas, animais, aves e até insectos e répteis. Não sou especialista na matéria mas gostaria de equacionar alguns problemas:

1 - Causas naturais:
A seca e o calor anormal deste ano, os ventos fortes e irregulares, o efeito de estufa que dia a dia se vai acentuando, os ventos provocados pelas próprias chamas;

2 - Desleixo político:
As matas e florestas continuam por limpar; a praga do eucaliptal e pinheiros substituem vegetação autóctone; a falta de caminhos florestais; os postos de detecção e vigia de incêndios ou não existem ou não têm meios humanos para funcionarem;

3 - Desleixo social:
A negligência dos utentes da floresta, que procuram um dia de frescura e tranquilidade na mancha verde e que raramente levam o seu lixo e apagam as suas fogueiras; as queimadas feitas sem as devidas precauções;

4 - Actuação criminosa:
A actuação inqualificável de incendiários que não respeitam vidas (sejam elas humanas, de animais, aves, plantas ou até simples insectos que mantêm o equilíbrio ambiental).

Sabe-se que do plano traçado para o combate aos incêndios este ano falhou mais uma vez: falhou o Homem, falhou a máquina, falhou a prevenção.
Aumentaram a morte das árvores, das pessoas, dos animais domésticos, dos animais selvagens e da própria vegetação. O próprio solo fica sujeito a uma erosão mais forte sem se poder quantificar as consequências futuras.
Arderam Parques e Reservas naturais; foram destruídos sobreiros, azinheiras, carvalhos, pinheiros, eucaliptos... foram consumidas pelo fogo zonas de vegetação que eram fontes de alimento ou refúgio para águias, abutres, cegonhas, lobos, linces, lontras, javalis, raposas (e muito deles em vias de extinção!). Para não falar dos animais rastejantes, dos insectos e de outras formas de vida que morreram no meio das chamas.
Os efeitos da poluição provocada pelos incêndios tornaram o ar menos respirável, pondo em risco as vidas de muitas pessoas, especialmente as mais idosas.

Vão ser precisos mais de 30 anos para que a Floresta possa voltar a recuperar e ser, de novo, a riqueza e o pulmão natural da VIDA, como um todo.

Foi gratificante ver a população anónima ajudando os substituindo-se aos bombeiros e mais recentemente o apoio internacional no combate às chamas numa tentativa para proteger esse bem indispensável à Vida que é a Floresta.

A Terra é a herança mais importante que temos para dar aos nossos filhos... mas incólume e cada vez mais enriquecida!
As Árvores, os Arbustos, as Flores são verdadeiros pulmões que renovam o oxigénio e dão um ar mais fresco e belo à Mãe Natureza.

Plantar uma árvore, uma flor (nem que seja no peitoril da janela lá de casa) é a forma de interiorizarmos o respeito e o amor que a Mãe Terra nos merece.

José Gomes

-------------------------------- I
Imagens do fogo visto do espaço:

1) Incêndios em Portugal
Os fogos continuam activos e a estender-se pelas matas de Portugal em meados de Agosto de 2005. Temperaturas altas (40º C / 104 º Farenheit) estão a provocar dificuldades acrescidas aos bombeiros no controle de reacendimentos no centro e norte de Portugal desde Julho.
Esta imagem foi tirada pelo MODIS instalado no satélite Aqua da NASA em 16 de Agosto de 2005.
A localização dos fogos activos está marcada com um ponteado vermelho. Um incêndio de grandes proporções está a acontecer na Serra da Estrela no centro da imagem, criando uma cortina de fumo acinzentado que se está a dirigir para Leste.

(NASA, cortesia do grupo MODIS - Centro de Voos Espaciais Goddard).

2) Incêndios em Portugal
As floresta afectadas pela seca em Portugal continuavam a arder na 4ª semana de Agosto de 2005.
O fogo continuava a arder intensamente e sem controle em várias localidades e o governo declarou o estado de emergência no centro do País.
Esta imagem dos incêndios (delimitada a vermelho) foi tirada em 22 de Agosto de 2005 pela MODIS no satélite Terra da NASA.
O fumo de dezenas de incêndios detectado pelo MODIS está a espalhar-se pelo Atlântico como mostra a imagem acima.

(NASA, cortesia do grupo MODIS - Centro de Voos Espaciais Goddard.)

3) Incêndios em Portugal
Uma das piores secas das últimas décadas combinada com altas temperaturas está a dificultar o trabalho dos bombeiros e pô-los em perigo dado estarem a combater muitos fogos a acontecer nas matas portuguesas.
Os incêndios têm vindo a acontecer desde Julho de 2005 e por alturas de finais de Agosto as matas apresentam imensas áreas queimadas.
Esta imagem obtida pelo MODIS instalado no satélite Aqua da NASA mostra as áreas de fogo activo (delimitadas a vermelho) assim como as imensas áreas queimadas (assinaladas a vermelho acastanhado) por todo o Portugal.
A vegetação está assinalada a verde forte.
Esta imagem foi captada pelo MODIS a 24 de Agosto de 2005.

(NASA, cortesia do grupo MODIS - Centro de Voos Espaciais Goddard).

-------------------

Sylvia Cohin, brasileira, a quem nos liga a grande paixão pela Poesia e que a compartilha com um grande Amigo comum (Fernando Peixoto), deixou-nos este alerta.
Esta foto que inseriu no seu blog e o crepitar do fogo à volta de Coimbra fez-me sentir calafrios quando a vi pela primeira vez.
Com muito carinho fiz a composição como pude e como soube. Mantive a música dos Madre Deus.
O seu poema
(Semeadura) mostra a sua sensibilidade.

Obridado Sylvia, obrigado Fernando.

O fogo muito perto de Coimbra 24 de Agosto 2005

Semeadura

Nas labaredas ardentes
a cinza, reduz-se a vida.
vão-se os sonhos, esperanças,
no abrasivo céu candente...
toda labuta perdida
em macabras contra-danças
das chamas bailando ao vento,
plantando só desalento !

Coimbra também padece
Co´esse abraço incendiado
de maldade ou maldição...
visão que jamais se esquece,
o pavor deste cenário
que acena dor e extinção...
o ar sufoca no peito,
do grito abafado, o efeito !

Resta apenas a certeza:
sob as cinzas há semente !
Quando vierem as águas
fecundando a natureza,
resfriado o solo ardente
brota a vida, morrem as mágoas!!
o céu retinto clareia...
o verde, a Esperança semeia!!

Sylvia Cohin
25.08.2005
Bahia Brasil







19 comentários:

  1. Uff!
    Foi difícil, mas já está.
    Obrigado Sylvia pelo poema e pela música.
    Obrigado Manuela por me teres ajudado a traduzir os mapas da Nasa.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Isto que escrevo bem podia ser mais que um "chuvisco": uma forte trovoada, que desabasse sobre o fogaréu destruidor... Cumprimento o amigo José Gomes pela qualidade e beleza deste post-Reportagem onde há farto material descritivo e analítico. Obrigada por agregar o poema que fiz sob a emoção da ocorrência. Um abraço brasileiro e amigo que estendo ao Fernando, que esteve em diligências de bastidor!
    rsrsrsrsrs
    Sylvia Cohin

    ResponderEliminar
  3. José, vim a teu blog através da amiga Sylvia, deixo aqui uma poesia que fiz há 2 anos, fala sobre as queimadas em Portugal e parece que nada mudou.
    Beijos q.b.

    ASSASSINOS!

    Aos olhos do homem está sendo negado
    Ao futuro dos meninos está sendo ceifado
    A natureza toda chora e implora
    Acabem com este crime agora
    Não deixem sozinhas, as meninas
    Não as tirem sua água cristalina
    Não neguem ao pássaro, seu ninho
    Não brequem o correr dos meninos
    Assassinos dos piores, esses homens são
    Estão acabando com tudo, faltará o pão
    De fome, de sede, de tudo irão matar
    Nossos irmãos choram sem o seu lar!
    Justiça, justiça, há de surgir urgente
    Para acabar com este absurdo demente!

    ResponderEliminar
  4. Um "post" daqueles, Zé!! BOM DIA!!! Valeu o esforço!O nosso pobre País!!!... :/**

    ResponderEliminar
  5. Quando cada vez mais deveríamos preservar a Terra, as florestas, que são o nosso pulmão, vê-se cada vez mais, a classe política, olhar para esta catástrofe, com olhos de quem lê estatísticas.
    Um bom texto, Zé! Grata por ele. Não deveremos calar as nossas vozes. Devemos estar atentos e manifestar o nosso repúdio, para que sejam tomadas medidas que evitem este flagelo!

    Um abraço solidário

    ResponderEliminar
  6. Meu caro Zé, deixa-me juntar a minha voz ao teu grito de revolta!...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Para quê escrever mais se escreveste tudo? Bom post! beijos

    ResponderEliminar
  8. Muito bom post este, Zé! Junta o comentário bem documentado à beleza do poema da Sylvia. Nunca é demais falar sobre este flagelo. Beijos

    ResponderEliminar
  9. Olá,
    Cheguei aqui graças à divulgação da Sylvia.
    Parabéns pelo blog. Muito bom!
    Abraços.


    (www.cronopolitano.blogspot.com)

    ResponderEliminar
  10. Meu caro Zé:
    Se a poesia da Sylvia está bem entregue nas cuidadosas mãos com que a incluíste, o blogue com as informações adicionais, está sensacional! Parabéns Amigo. Sempre atento e solidário, eis o que mais aprecio em ti.
    Um abraço do
    Fernando Peixoto

    ResponderEliminar
  11. ola ze. desculpa ter chegado atrasada para te dar os parabéns por um post desta qualidade. só a tua exigencia poderia consentir tal publicação. as fotos do satélite estão o maximo. mais uma vez parabéns.
    abraço da leonor

    ResponderEliminar
  12. "É muito triste detectarmos que um flagelo desses destói tantas vidas, devasta o que a natureza levou anos para construir, e como dói imaginarmos que o pior dos desleixos é o político e o social...que poderiam senão evitar totalmente ao menos amenizar bastante.
    O poema da Sylvia "Semeadura" retrata toda a dor, os versos sangram, mas a última estrofe nos remete à esperança de paz, renascimento, porque "sob as cinzas há sementes"...novas vidas brotarão"
    Parabéns pelo post!!!

    ResponderEliminar
  13. Vou tentar agradecer os comentários, que me sensibilizaram muito:
    - À Sylvia que me vê por um prisma que não concordo. Se o post se tornou agradável foi graças ao teu poema e a essa foto de Coimbra que é de arrepiar.
    Aos teus amigos do Brasil que foram simpáticos e indulgentes com os seus comentários.
    Tudo farei (sei que é uma gota no oceano...) para que Gaya, a Mãe Terra, continue com a sua beleza para as gerações futuras.
    Veravilela, não quero acreditar que este flagelo seja "só" obra do Homem incendiário. O efeito de estufa, a poluição, a falta de limpeza e de civismo, a falta de meios técnicos e as culturas feitas a pensar só no lucro, serão 90% responsáveis pelos fogos.
    Para já não falar na seca que nos aflige há já quase um ano.
    Plenamente de acordo com a Emília.
    - M.P. tenho que agradecer toda a tua ajuda, bem sabes. O uso do tradutor o resultado final parecia chinês...
    - Mas é isso que faço, MM, mas já estou como o judas a pregar no deserto. às vezes tenho vontade de mandar tudo`às "malvas" e que cada um se desenrasque!...
    - Frog, Wind e Lique, obrigado pelas vossas palavras. Mas sem o poema e a foto da Sylvia o post não teria o impacto desejado. Hei-de pedir à Sylvia como é que de faz o efeito sonoro do fogo que acompanhava a foto e não fui capaz de reproduzir.
    - Edison, obrigado pelas palavras mas parece-me que a Sylvia mobilizou meio Brasil com o post. E não tem a qualidade que o assunto merecia, apesar de ter posto o maior empenho no que escrevi. Saiu do coração e da raiva que dificilmente sufoco!
    - Fernando, continuas o mesmo! Vê lá em que alhadas estou a meter-me... o poeta és tu! Eu sou um simples aprendiz de feiticeiro...
    - Leonor, nunca chegas atrasada, chegas sempre no teu tempo...
    Lembrei-me de incluir a documentação da Nasa, já que temos troca de correspondência diária.
    Gostei muito de te ver por aqui. Ahh! A foto está divinal!
    - Emília, quero agradecer o comentário e estou de acordo com o conteúdo. Só que começo a desesperar ver todos os anos que a área ardida aumenta, fala-ze das mortes humanas, dos estragos nas casas, na economia... e os ratos, os pássaros, os linces, as raposas, as aranhas, as cobras, os lagartos, as abelhas....... são partes importantes no equilibrio do ecosistema.
    Um abraço a todos.

    ResponderEliminar
  14. ola ze. venho agradecer-te o comentario sobre o final da minha historia. as sugestoes estao o maximo e fartei-me de rir. que bom.
    abraço da leonor

    ResponderEliminar
  15. Ainda bem que te fiz rir, Leonor...
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  16. Keridos Amigos

    As férias terminaram...
    ...assim como um muro de areia
    se desfaz... frente a uma onda... mais ousada.

    o tempo passou
    sem horários...
    livre...
    repousante...
    um pouco dorido...
    e
    guloso.

    não foram as melhores férias
    ...pois a saúde falhou um pouco
    e
    não ajudou
    como deveria,
    porém foi tão bom
    estar junto dos meus deuses
    que até o tratamento me pareceu mais leve.

    devo dizer-vos
    que senti saudades
    das palavras
    dos desenhos
    das músicas
    das imagens
    a que todos vocês me habituaram
    (principalmente
    quando era castigada
    pela imobilidade da medicação)
    ...mas...
    para o ano
    levarei comigo um portátil
    que irei ganhar no euro-milhões...
    ... por esse motivo vou desde já começar
    a lançar a sorte
    e escolher os números.

    Keridos
    tudo isto para vos dizer
    que não vos esqueci
    e
    para avisar
    que a partir de hoje
    vou perder
    muitas horas gulosas...
    a “fazer visitas”.

    Beijux létinha.

    Ps. desculpem ter usado a mesma
    mensagem para todos...
    mas não foi possível “personalizar”
    .....................................
    obrigada pelo “perdão”
    .....................................
    sois uns amores.

    ResponderEliminar
  17. Anónimo5/2/07 20:03

    Enjoyed a lot! »

    ResponderEliminar
  18. Anónimo5/3/07 12:52

    best regards, nice info » » »

    ResponderEliminar
  19. Very nice site! »

    ResponderEliminar