quarta-feira, 24 de agosto de 2005

Ao PANTANERO... com Amizade.

Foto tirada na "Noites de Poesia em Vermoim" em 5 de Novembro 2004


Pantanero” partiu na tarde do dia 19 de Agosto de 2005.

Perdemos um amigo, um companheiro nas lutas do dia a dia em prol duma sociedade mais justa e mais fraterna, um entusiasta deste mundo da blogesfera.
Apareceu em algumas "Noites de Poesia de Vermoim" dando o seu contributo de alegria, animação e camaradagem.


Pantanero” partiu... cabe a nós, seus amigos, fazer com que o seu espírito de luta, camaradagem e abnegação se transforme em semente germinada que dê frutos para a construção do Mundo sem barreiras e sem opressões que ele sempre sonhou.

Até sempre, Zé Machado.

(José Gomes)

Carlos Paredes toca "Verdes Anos"

Nota:
Agradeço a visita a http://movimentum.blogs.sapo.pt/

12 comentários:

  1. OLá, Zé! Bem regressado! Mas... um regresso de toada triste com o desaparecimento deste teu Amigo! Eu vi a notícia no Ognid mas não queria acreditar na gravidade do sucedido! Fui ao blog desse senhor e reparei que havia publicado qualquer coisa no dia anterior ao seu desaprecimento! Ele há coisas!!
    Um Abraço!

    ResponderEliminar
  2. Nunca esquecerei o meu querido amigo, homem de coração grande, o Pantanero. Obrigada por o recordares com uma foto. beijos

    ResponderEliminar
  3. Olá Zé.Isto é para que não te queixes que não digo nada. Espero agora é que não seja como das outras vezes, que vim, escrevi e não soube acabar.E depois não ficou nada. Gostei!

    Maria Mamede

    ResponderEliminar
  4. Mas a vida tem de continuar e lutar para que a voz do Pantanero nunca se cale.
    Obrigado M.P. e Wind pelas palavras.
    Finalmente, Mamede, acertaste! Já não era sem tempo.

    ResponderEliminar
  5. que bom ze haver amigos como tu que nos lembrem na morte.
    abraço da leonor

    ResponderEliminar
  6. Não preciso dizer nada, pois não? Céus, Zé, vê-lo aqui lembra-me a outra Noite de Poesia em que estivemos todos. Não há possibilidade nem vontade de esquecer a pessoa maravilhosa que ele era.
    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Bonito gesto de homenagem ao amigo que partiu.

    ResponderEliminar
  8. Quero agradecer as tuas palavras, Leonor, mas os amigos são apenas pessoas como tu e eu.
    Sabes , "c'est moi", senti muito não estar presente na despedida. Talvez este texto seja uma desculpa por não o acompanhar num derradeiro adeus...
    Realmente, Lique, não precisas dizer nada. Foste a pessoa que tive que recorrer para me ajudar... e tenho a certeza que o Machado, esteja lá onde estiver, te agradece tanto como eu.
    Foi um amigo e companheiro que recordo com saudade.

    Obrigado a todos vós.

    ResponderEliminar
  9. Há momentos em que as palavras faltam. Deixo um abraço carinhoso

    ResponderEliminar
  10. Tens que ultrapassar isso, MM.
    Dois tombos e um esticão foi demais.
    Mas poderias ter sido atropelada e isso é que não é bom pensar.
    Precisamos encontrar-nos. Vai preparando o tema para a Noite de Poesia de Vermoim: CIDADES.
    Um abraço e as melhoras.

    ResponderEliminar
  11. venho agradecer-te o comentario bonito que deixaste no Ex. abraço da leonor

    ResponderEliminar
  12. Não o conhecia. Soube no Fraternidade, pelo meu padrinho Fernando. As palavras bonitas que aqui deixaste, serão de uma lembrança imortal, e por isso perdurarão, sempre. Um abraço

    ResponderEliminar